Tamanho
do Texto

Por que ir à casa Espírita?

Por que ir à casa Espírita?

 

A experiência nos demonstra que algumas pessoas comparecem ao Centro Espírita
a procura de solução para tormentosos problemas pessoais, destacando-se,
isoladamente ou em conjunto:

  • Enfermidades renitentes – Apesar de terem procurado inúmeros
    especialistas, realizados variados exames (onde nada é encontrado), tomado
    inúmeros medicamentos, mas os sintomas permanecem, são as “doenças fantasmas”.
  • Desentendimentos no lar – Com discussões constantes entre cônjuges,
    pais e filhos, irmãos, parente em geral; e por mais que se esforcem, a
    harmonia aí não se instala.
  • Tensão nervosa – Onde a pessoa já levanta nervosa e não sabe
    porque, irritação sem causa aparente.
  • Depressão – Com profundos sentimentos de baixa estima, desamor.
  • Dificuldades financeiras – Onde apesar de terem seus ganhos,
    o dinheiro parece sumir de suas mãos. Quando tudo parece que vai melhorar,
    aparecem gastos inesperados como: o carro que estraga, uma doença, um prejuízo
    nos negócios.
  • Frustrações profissionais – Desagrado com o trabalho que
    realizam; o local onde trabalham; os colegas a sua volta, ou se não tem
    trabalho também não conseguem emprego, embora as vagas existam, não são
    admitidos.
  • Insistentes idéias infelizes – Sentimentos de largar
    tudo para traz e ir embora sem rumo; abandonar a família; insatisfação geral
    com a vida; e em casos mais graves até idéias de suicídio.
  • Desenganos sentimentais – Constantes idéias de separações; e
    se está solitária incansável busca do parceiro ideal, que nunca aparece.
  • Etc…

Solução esta que já buscaram em outras crenças e até mesmo em consultórios
médicos, sem contudo lograrem o êxito esperado, na sua ótica de visão.

Vêem então à Casa Espírita. Isto significa que o Centro Espírita é para
muitos um hospital mágico, onde mentores espirituais podem realizar os mais
variados prodígios em favor dos consulentes.

Semelhante situação é no mínimo extravagante, porquanto não se inspira nos
postulados doutrinários. Não há nada, em Espiritismo, que sugira a idéia de que
o intercâmbio com o plano espiritual é uma panacéia (remédio) infalível
para os males humanos.

Apesar desses irmãos infelizes desconhecerem o objetivo maior da Casa
Espírita, esta os recebe de portas abertas e coloca-lhes a seus serviços todos
os recursos de que dispõe, amparando, consolando e instruindo. (Lembrando que
nas reuniões públicas não se fecha a porta em momento algum. Mesmo que alguém
chegue atrasado, venha à Casa Espírita, se nos minutos finais da palestra, a
pessoa escutar uma palavra que lhe toque verdadeiramente o coração, já será um
grande passo em seu benefício).

Muito mais que atender aos interesses da Terra, a Casa Espírita faz nossa
iniciação nos ideais do Céu, mostrando-nos a estrutura e funcionamento das Leis
Naturais, através da divulgação do espiritismo.
Simultaneamente
convoca-nos à sua observância como o único caminho para que nos libertemos de
sentimentos inferiores como o egoísmo, a vaidade, o orgulho, geradores de todos
os nossos infortúnios. Somente assim nos habilitaremos a viver felizes,
contribuindo para a construção de um mundo melhor e uma sociedade mais feliz,
com o empenho de nossa própria renovação.

O desconhecimento desses objetivos induz a alguns enganos lamentáveis, O
principal deles relaciona-se com a famosa “consulta”, onde os freqüentadores
querem conversar com os Espíritos, ouvir a promessa de decisiva intervenção ou
receber a indicação de “poções” infalíveis em seu benefício.

Pensando dessa maneira, poucos se vinculam ao Centro Espírita, que tomado à
conta de hospital, é compreensível que os “pacientes” tendam a afastar-se
atendendo a dois motivos:

  • melhoraram e consideram desnecessário continuar o tratamento;
  • ou não melhoraram e resolvem procurar ajuda em outro lugar, e ainda saem
    dizendo: “Eles não resolveram o meu problema”.

Devemos evitar que a atividade do Centro gire em torno de receituários e
aconselhamentos espirituais, que podem amenizar determinados problemas mas
jamais os resolvem, porquanto atacam efeitos sem remontar às causas.

Se um alcoólatra procura o Centro porque está com uma crise hepática, pouco
valerá cuidar apenas de seu fígado. E indispensável ajudá-lo a superar o vício.

Se alguém é envolvido por Espíritos que o atormentam com idéias e sentimentos
infelizes, será ocioso afastá-los simplesmente. Eles sempre retornarão. A
providência fundamental é ajudar o obsidiado a modificar seu padrão vibratório
com a assimilação de conhecimento renovador. Então ele próprio se libertará em
definitivo.

Certa feita uma senhora perguntou a Divaldo Pereira Franco, qual seria o
método mais eficaz de se afastar os maus espíritos, ao que Divaldo respondeu com
outra pergunta: “Porque afastá-los? Afaste-se você deles, mudando o seu padrão
vibratório.”

No Centro Espírita idôneo, não há manifestações mediúnicas nas reuniões
públicas, mas ainda hoje muita gente confunde Espiritismo com manifestação dos
Espíritos.

Evidentemente, há ali os trabalhos práticos, em vários dias (é parte das
atividades espíritas), mas privativamente, em pequenos grupos, dos quais
participam companheiros que têm conhecimento do fenômeno mediúnico e da
responsabilidade que envolve seu exercício. Muitos de nossos desajustes guardam
sua origem no desconhecimento dos mecanismos que regem nossas relações com o
mundo dos Espíritos.

Bem! Algumas perguntas nos assomam aos lábios:

Se a Casa Espírita não é um hospital do além, não nos receita remédios,
não podemos falar com os espíritos ou nossos entes queridos, então por que ir à
Casa Espírita?

Resgatemos então os seus reais objetivos.

Nas reuniões públicas são comentados “O Evangelho Segundo o Espiritismo” e “O
Livro dos Espíritos”. O primeiro aborda o aspecto religioso da Doutrina
Espírita.

“Ué! Espiritismo é religião?” Sim! Mas uma religião diferente, sem
cerimônias, sem ritos, sem rezas (onde o coração não participe). Seu objetivo
não é de formalizar uma atitude religiosa com o comparecimento ao templo ou a
adoção de determinada postura física, mas de renovar nossas concepções a
respeito da comunhão com Deus. Devemos ser espíritas para nós mesmos e não para
mostrarmos aos outros.

Devemos procurar Deus no único lugar onde realmente o encontraremos – na
intimidade de nosso coração. Com esse propósito Kardec comenta os ensinamentos
de Jesus em sua essência – a moral evangélica – demonstrando ser indispensável
que nos renovemos para o Bem.

A fim de que nos sintamos estimulados a esse esforço temos em “O Livro dos
Espíritos”, síntese filosófica da Doutrina, a resposta racional e lógica para os
“porquês” da Vida. Por que estamos na Terra, por que sofremos, por que
experimentamos frustrações, por que há tanta violência no Mundo, por que a
enfermidade grassa, e muito mais, convidando-nos a desenvolver a capacidade de
reflexão, no empenho de conhecermos a nós mesmos e o que nos compete fazer.

As reuniões públicas do Centro Espírita devem ser tomadas à conta de uma
iniciação espírita, onde participaremos de um banquete de luzes que enriquecem a
existência.

Para tanto é preciso superar a concepção distorcida e irreal do
centro-hospital, com pleno entendimento de que ele é, acima de tudo, uma
abençoada escola.

Bem mas e se aparecer um desses irmãos equivocados? O que fazer? Devemos
recebê-los de braços abertos, escutando-os, consolando e esclarecendo
amorosamente, renovando-lhes o convite a buscarem uma casa espírita, fazendo-os
ver que podem rumar para a cura da alma e também para cura do corpo.

É aí que entra a nossa participação. O Espiritismo nos convida a todos que
participamos do Movimento Espírita, (Seareiros, palestrantes, diretores,
ouvintes) a realizar este nobre trabalho em favor dos irmãos angustiados.

  • Antes de cogitar dos benefícios que o Centro Espírita pode nos oferecer,
    procuremos conhecer a Doutrina Espírita. Muita gente perde valiosas
    oportunidades de edificação por não atentar a essa necessidade.
  • Leia e estude as obras básicas e as complementares. O livro espírita é
    precioso repositório de bênçãos que deve estar sempre ao alcance de nossa mão.
  • Eleja os dias da semana em que comparecerá ao Centro Espírita, assumindo,
    perante si mesmo, compromissos de assiduidade e perseverança.

Irmãos reticentes e ainda não convencidos poderão perguntar:

– Eu não posso estudar e aprender em casa sozinho? Pode.

– Sem ir à Casa Espírita, eu não posso ajudar aos necessitados no meu bairro?
Evidente que sim.

– Ou em hospitais, orfanatos, asilos?…Resposta positiva.

Então por que ir à casa Espírita?

  • A Casa Espírita idônea, é um ambiente mais propício para encontrarmos a
    paz, o reconforto, compreensão, esclarecimentos.
  • A Casa Espírita é o lugar onde espíritos iluminados, vem em missões de
    divulgação das Leis Naturais, bem como em atendimento aos sofredores dos dois
    planos da vida.
  • Na Casa Espírita é onde irmãos encarnados dedicados (inspirados pelos
    mentores), buscam em pesquisas, nos passar a interpretação correta da mensagem
    do Cristo através de palestras edificantes.
  • Na Casa Espírita, com a divulgação dos ensinos de Jesus, compreendemos aos
    poucos que seremos cada vez mais felizes quanto mais pautarmos a nossa
    caminhada de acordo com as Leis Naturais.
  • Na Casa Espírita, devido à reunião dos trabalhadores do Cristo, a
    atmosfera espiritual está repleta de luzes e energias salutares que
    reorganizam as nossas forças.
  • Na Casa Espírita, relembraremos os ideais cristãos, buscando sufocar as
    nossas imperfeições e elevarmos os nossos valores morais, gravados indeléveis
    em nossas consciências, por bondade do Criador.

O Espiritismo é uma doutrina libertadora e faz um bem enorme a quem se coloca
sob sua orientação a serviço de Jesus.

Data: 10/03/2002
Tempo: 30 minutos

Bibliografia:

  • Uma Razão Para Viver – Richard Simonetti

 

Comentários

logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_uniespirito logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior