Tamanho
do Texto

A técnica do Passe

“O poder de curar independe da vontade do médium: é um fato adquirido pela
experiência. O QUE DEPENDE DELE são as QUALIDADES que podem tornar FRUTUOSO e
DURÁVEL. Essas qualidades são sobretudo o DEVOTAMENTO, a ABNEGAÇÃO e a
HUMILDADE; o EGOÍSMO, o ORGULHO e a CUPIDEZ são pontos de parada, contra os
quais se quebra a mais bela faculdade”. E à pág. 354, em continuação temos: “O
verdadeiro médium curador, o que compreende a santidade de sua missão, é movido
pelo único desejo do bem; não vê no Dom que possui senão um meio de tornar-se
útil aos seus semelhantes, e não um degrau para elevar-se acima dos outros e
por-se em evidência. É humilde de coração… Nem procura o brilho, nem o renome,
nem o ruído de seu nome, nem a satisfação de sua vaidade. Não há, em suas
maneiras, nem jactância, nem basófia; não exibe as curas que realiza, ao passo
que o orgulhoso as enumera com complacência, muitas vezes as amplia, e acaba por
se persuadir que fez tudo o que diz”.

O médium consciente, SERVE e PASSA. Serve a Jesus e passa pela existência
afora. Tal é a característica do médium amado e respeitado pelos bons Espíritos.

Dessa forma entendemos que existem requisitos e condições que são básicas e
desejáveis para o exercício do PASSE ESPÍRITA, que podemos sintetizar em:

  • FÉ (CERTEZA-CONVICÇÃO)
  • AMOR AO SEMELHANTE (RESPEITO E COMPREENSÃO DOS PROBLEMAS DO SER)
  • DISCIPLINA (PONTUALIDADE E CONSTÂNCIA)
  • VONTADE (ESPÍRITO DE SERVIR)
  • CONHECIMENTO (ESTUDO CONSTANTE DA DOUTRINA ESPÍRITA)
  • EQUILÍBRIO PSÍQUICO (PRECE-MEDITAÇÃO-LIGAÇÃO COM O PLANO ESPIRITUAL)
  • HUMILDADE-ABNEGAÇÃO

Entendemos, igualmente, os fatores negativos para o concurso do Passe, que
sintetizamos:

PRINCIPAIS FATORES NEGATIVOS FÍSICOS

  • Alimentos inadequados
  • Desequilíbrio nervoso
  • Uso do fumo e do álcool

PRINCIPAIS FATORES NEGATIVOS ESPIRITUAIS/MORAIS

  • Mágoas excessivas (tristeza, desânimo, depressão, revolta íntima,
    inquietude)
  • Paixões (emoções que se sobrepõem à lucidez e à razão)
  • Egoísmo (amor excessivo ao bem próprio – exclusivismo)
  • Orgulho (amor próprio demasiado – soberbo – arrogante – altivo)
  • Vaidade (Presunção – frívolo – desejo de atrair admiração)
  • Cupidez (cobiça – revelação de desejos amorosos, carnais)

Para encerrarmos este item, lembremo-nos de uma frase de Emmanuel – no livro
SEGUE-ME:

“Se pretendes, pois, guardar as vantagens do passe que, em substância, é ato
sublime de fraternidade cristã, PURIFICA o sentimento e o raciocínio, o coração
e o cérebro”.

A técnica do passe espírita – O PASSE ESPÍRITA é destituído de qualquer
técnica especial, dispensando, conforme André Luiz nos informa em CONDUTA
ESPÍRITA, “na sua transmissão, qualquer recurso espetacular”.

Herculano Pires, no livro Mediunidade, salienta que o “Passe é tão simples,
que não se pode fazer mais do que dá-lo”.

Para corroborar a simplicidade do Passe Espírita, no que concerne às técnicas
de magnetização, lembremo-nos sempre de que somos MÉDIUNS e NÃO magnetizadores.
E Kardec, na Revista Espírita, ANO VIII – Setembro 1865 – Vol. 9, à pag. 254,
nos diz que “O conhecimento dos processos magnéticos é útil em casos
complicados, MAS NÃO INDISPENSÁVEL”.

Na mesma página, referindo-se aos médiuns curadores, nos diz que: “Apenas sua
ignorância lhes faz crer na influência desta ou daquela fórmula. Às vezes,
mesmo, a isto misturam práticas evidentemente supersticiosas, às quais se deve
emprestar o valor que merecem”.

Queremos deixar claro que NÃO somos contrários a determinadas técnicas,
mencionadas por estudiosos encarnados e desencarnados, salientando que cada um
apresenta o seu ponto de vista, segundo sua ótica pessoal. No entretanto,
examinando, analisando e estudando Kardec, chegamos, muitas vezes, a conclusões
divergentes daqueles autores. Contudo, respeitamos seu ponto de vista.

É assim que encontramos técnicas como:

Sopro – Insuflação (quente/frio) – André Luiz – Os mensageiros – Cap. 19,
Conduta Espírita – 28

Rotativo – Circular – André Luiz – Missionários da Luz – Cap. 19

Dispersão – André Luiz – Ação e Reação – Cap. 3, Manoel Philomeno Miranda –
Grilhões Partidos – Cap. 15

Longitudinal – André Luiz – Missionários da Luz – Cap. 19

Não nos cabe discutir e polemizar sobre a validade ou no destas técnicas.
Ficamos com Kardec, como já dissemos, e repetimos: “Como a TODOS é dado apelar
aos bons Espíritos, ORAR e QUERER o bem, muitas vezes BASTA IMPOR AS MÃOS sobre
a dor para a acalmar; É O QUE PODE FAZER QUALQUER UM, se trouxer a FÉ, o FERVOR,
a VONTADE e a CONFIANÇA em DEUS”. (Revista Espírita – ANO VIII – Setembro 1865 –
Vol. 9 – pág. 254).

SIMPLES não é? Como tudo na vida. Jesus foi simples, Kardec foi simples. Nós
é que somos complicados e, acabamos complicando as coisas simples, com a nossa
complicação. Sejamos simples, como Jesus e Kardec. Já falamos sobre a posição
mental do Passista e sobre a posição e preparação mental do enfermo, antes,
durante e após ao passe. Enfocaremos agora, sucintamente, pela ordem os
seguintes critérios:

  1. Quando o passe deve ser aplicado;
  2. Preparação do ambiente;
  3. Forma de Aplicação do Passe Espírita;
  4. O Passe no Centro Espírita;
  5. Quantos Passes podemos aplicar?

1 – O passista é um trabalhador de Jesus. O passe não é privilégio de
ninguém. Não há contra indicação para o passe. Todavia, recomenda-se, sua
aplicação somente nos casos, necessários, de enfermidade física, psíquica ou
espiritual. É muito difícil diagnosticar quando REALMENTE uma pessoa necessita
de passes, pois várias enfermidades mantém-se ocultas, ao longo de vários anos.

Nos casos de enfermidade, o passe espírita NÃO dispensa o tratamento médico.

2 – Entendido o tratamento através do Passe Espírita, como sendo de alcance
terapêutico, justo é compreender que esse serviço deve ser realizado em ambiente
devidamente preparado. No ambiente deve manter-se a CALMA, a CONVERSAÇÃO
EDIFICANTE, a MENTE e os PENSAMENTOS SADIOS, o RESPEITO MÚTUO. André Luiz, em
Conduta Espírita, nos esclarece que “De ambiente poluído nada de bom se pode
esperar”.

3 – Como já dissemos, o Passe é simples. É a transmissão de fluidos, mediante
sua emissão através da VONTADE, portanto pela mente. Para isso, movidos pela
vontade e amor, basta IMPOR AS MÃOS sobre o enfermo, sobre a cabeça de
preferência. Os Espíritos amigos sabem melhor do que nós qual o órgão ou órgãos
mais necessitados de fluidos restauradores. Com o pensamento edificante voltado
para Jesus, não é preciso nenhuma regra especializada e nenhum gesto especial,
ou movimentos convencionados. O Passe, NÃO requer contato físico com o enfermo.

4 – O Centro Espírita, atendendo ao objetivo maior da Doutrina dos Espíritos
que é a cura da alma, DEVE possuir o serviço de PASSES destinado ao tratamento
físico e espiritual daqueles que o procuram para o alívio de suas dores. A par
desse serviço, DEVE possuir equipes de companheiros, com o fim de ELUCIDAR aos
que procuram o serviço dos Passes, no tocante aos preceitos doutrinários e
ORIENTANDO-OS quanto às atitudes que devem observar para melhor receberem seus
benefícios, inclusive após o tratamento. DEMONSTRAR com base na Doutrina dos
Espíritos, a RAZÃO de nossas dores, imprimindo novas diretrizes à vida.

O serviço e aplicação de passes, no Centro Espírita, deve ser efetuado em
sala adequada, e reclama CRITÉRIO, DISCERNIMENTO, RESPONSABILIDADE, CONHECIMENTO
DOUTRINÁRIO.

O passe não deve ser aplicado à esmo, sem necessidade. Tampouco deve ser
alimentada a imagem mística do passe ou criada idéia misteriosa a seu respeito e
em torno dele.

Lembrar sempre que o Passe no Centro Espírita NÃO é a atividade mais
importante, e SIM, um auxiliar junto a todos os recursos utilizados. E para
concluirmos nosso estudo:

5 – Não existe número ou limite para a quantidade de passes que podemos
aplicar. Tal assertiva tem como base, de que somos médiuns, servindo de
intermediários entre os Espíritos e os homens.

No tratamento com recursos do Passe, o médium não tem esgotamento de seus
princípios vitais.

É Kardec quem nos afirma na Revista Espírita – ANO VIII – Setembro 1865 –
Vol. 9 – pag. 252:

“Sendo o fluido humano menos ativo, exige uma magnetização continuada e um
verdadeiro tratamento, por vezes muito longo. GASTANDO o seu próprio fluido, o
MAGNETIZADOR se ESGOTA e se FATIGA, pois que dá de seu próprio fluido vital. Por
isso deve, de vez em quando, recuperar suas forças. O FLUIDO ESPIRITUAL, mais
poderoso, em razão de sua pureza, produz efeitos mais rápidos e, por vezes quase
instantâneos. NÃO SENDO ESSE FLUIDO DO MAGNETIZADOR, RESULTA QUE A FADIGA É
QUASE NULA”. Assim “O MÉDIUM CURADOR recebe o INFLUXO fluídico do Espírito, AO
PASSO que o magnetizador tudo tira de si mesmo”.

André Luiz, em Conduta Espírita, já nos adverte que “O médium, no serviço de
passes, NÃO deve temer pela exaustão de suas forças”.

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior