Tamanho
do Texto

A Verdadeira Religião

A Verdadeira Religião

Se a Humanidade devesse ser salva pela filiação a uma só e determinada
Igreja, por suposta infalível, com exclusão de quantas mais existissem, bem
triste seria a sua sorte!

Como poderiam as gentes iletradas ou de poucas letras identificar “a tal”, se
constantemente estão surgindo novas seitas, pretendendo cada uma possuir essa
característica? Como, se os graus de entendimento são infinitos, e aquilo que
satisfaz a uns não apraz a outros? Pois se nem mesmo os sábios, até hoje,
conseguiram pôr-se de acordo a esse respeito?!

Felizmente, porém, o plano de Deus é bem outro, como se há-de ver pela
explicação dada por Jesus a um doutor da lei.

Este lhe perguntara: “Mestre, que devo fazer para entrar na posse da vida
eterna?”

Como se vê, pergunta direta, sem rodeios, exigindo resposta específica.

Então Jesus lhe diz: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda
a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o máximo e o primeiro
mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás a teu próximo como a ti
mesmo. Destes dois mandamentos depende toda a Lei e os Profetas. Faze isso, e
viverás. ” (Mat. 22: 34-40; Mar. 12: 28-34; Luc. 10:25-28.)

“AMA O TEU PRÓXIMO, E VIVERÁS” -eis, na palavra do Cristo, a que se reduz o
problema da salvação das almas.

Desgraçadamente, porém, apesar da simplicidade da fórmula, nem todos
conseguem acertar de pronto a equação, porque… ignoram quem e o seu próximo.

Valha a esses a parábola do bom samaritano (Luc. 10: 29-37), com que Jesus,
no colóquio mantido com aquele mesmo doutor da lei, elucida-lhe o que significa
ser o próximo de alguém.

“O mandamento que vos dou é este: que vos ameis uns aos outros, como eu vos
amei” (João, 15:12), tornaria a dizer, mais tarde, o Divino Mestre, reafirmando,
assim, ser “o amor ao próximo” a síntese do Evangelho do Reino.

E, como que a rematar toda a sua doutrinação nesse sentido, eis em que termos
instrui seus discípulos acerca das recompensas e penas futuras:

“Quando o Filho do homem vier em sua majestade, acompanhado de todos os
anjos, assentar-se-á sobre o trono de sua glória, e, estando todas as nações
reunidas perante Ele, separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas
das cabras, e colocará as ovelhas à sua direita, e as cabras à sua esquerda.

“Então dirá o rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu
Pai, e tomai posse do reino que vos foi preparado desde o começo do mundo;
porque tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; fui
hóspede e me recolhestes; estive me me cobristes; estive enfermo e me
visitastes; estive preso e me fostes ver.

“Responder-lhe-ão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome, e te
demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? E quando te vimos hóspede e te
recolhemos, ou nu, e te vestimos, enfermo ou preso e te fomos visitar?

“O rei lhes responderá: Na verdade vos digo, todas as vezes que fizestes isso
a um dos meus mais pequeninos irmãos, foi a mim que o fizestes.

“Depois dirá aos que estiverem à sua esquerda: Retirai-vos de mim, malditos:
ide para o fogo eterno, que foi preparado para o diabo e para os seus anjos;
porque tive fome e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber;
fui hóspede e não me recolhestes; estive nu e não me cobristes; estive enfermo e
preso, e não me visitastes.

“E eles lhe responderão também: Senhor, quando foi que te vimos com fome, com
sede, hóspede, nu, enfermo ou preso, e deixamos de te assistir?

“Ele, porém, lhes responderá, dizendo: Na verdade vos digo, todas as vezes
que deixastes de prestar essa assistência a qualquer desses pequenos, deixastes
de a prestar a mim próprio.

E então irão esses para o suplício eterno, e os justos para a vida eterna. ”
(Mateus 25:31-46.)

Ponhamos atenção no quadro que Jesus nos apresenta sobre o juízo final.

Qual o objeto das inquirições e o fundamento da sentença? Versa matéria de
fé? Estabelece alguma distinção entre o que crê de um modo e o que crê de outro?
Absolutamente!

O juiz indaga apenas uma coisa: se a caridade foi praticada ou não. E
pronuncia-se, dizendo: “Vós que assististes os vossos irmãos, passai à direita,
e vós outros que fostes duros ou indiferentes, passai à esquerda.”

Portanto, é a prática do bem, ainda uma vez, apontada por Jesus como condição
única e indispensável para a conquista do reino dos céus.

Nem poderia ser de outra forma, pois, se “Deus é Amor”, só os que sabem amar
poderão apreciar-Lhe a inefável companhia.

(Reformador – julho/1970 – pg. 148 e 149)

Comentários

logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_uniespirito logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior