Tamanho
do Texto

Algo natural

Se há um assunto que deve ser encarado com a maior naturalidade, inclusive em
casa com os filhos, é a velha questão da morte. Sim, afinal, ela é algo
absolutamente certo na vida de todo ser humano. Todos viveremos a experiência de
encontrar-se com o tal fenômeno que enrijece o corpo e ausenta a pessoa da
convivência com a família.

E o assunto deve mesmo merecer nossa atenção porque ela, a morte, é quase
sempre visita inesperada ou evitada, mas é uma visita necessária e de presença
certa, que pode ocorrer a qualquer momento, sem aviso muitas vezes. Ocorre que
desde milênios, a morte sempre foi encarada como algo aterrador, que joga suas
vítimas para valas de escuridão e causa pavor nos que ficaram, pois sempre foi
vestida com as roupagens do sobrenatural e do misticismo. Isto porque caía no
terreno do desconhecido.

Porém, o desconhecido tornou-se conhecido. Com a revelação espírita, os
próprios que já haviam enfrentado o fenômeno da passagem para a pátria
verdadeira retornaram para descrever a nova morada. Na verdade, a morte não
existe, pois a alma vive sempre. Morre o corpo, instrumento de experiências para
o espírito, de vida curta, porém. Mas, a individualidade prossegue após a morte
do corpo físico.

E muitos perguntam: Mas como é depois? E chegam a afirmar: ninguém
voltou para dizer…
Eis o engano: voltaram sim e revelaram como é. Mas aí
pode surgir outra dúvida: como crer que isto seja real? Eis o segredo:
raciocinar.

Os espíritos, que nada mais são que os seres humanos antes e após o corpo,
através de uma capacidade orgânica chamada mediunidade, podem entrar em
comunicação com quem ainda está aqui na vida material. E neste intercâmbio,
revelam a própria situação, suas impressões e experiências. Foi o que fez Allan
Kardec com a publicação de O Livro dos Espíritos, mas com um detalhe:
essas informações devem ser aprovadas pela lógica, pelo bom senso e pela
concordância geral. Se fugir desses itens, esqueça!

É aí que surge o segredo de raciocinar, atitude que todos podem usar.

Pensemos que o dinamismo da vida não pode resumir-se naquilo que vemos e
vivemos aqui, por tão curto espaço de tempo. E Deus, sendo Pai, não poderia
reservar a destruição ao final de uma experiência. Simples, não? A vida
continua, pois. Como é, entretanto, a nova vida, depende do interesse de cada um
em conhecer e estudar…

No chamado “Dia de Finados” não chore seus mortos. Eles vivem.

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior