Tamanho
do Texto

Análise Semiótico-Lingüística de Dados do Evangelho

Análise Semiótico-Lingüística de Dados do Evangelho

Aspectos lingüísticos da “água” nos capítulos de 1 ao 7 do “Evangelho Segundo
S. João”.

As circunstâncias que levam a nos determos nestes capítulos iniciais do livro
Evangelho Segundo S. João, do Novo Testamento bíblico, são devidas às constatações
de variantes da lexia água”, empregada aqui, vale dizer, como palavra-chave, de
forma a que, de início, enseje ao pesquisador cuidadoso, em cada fato narrado, a
suposição de traços sêmicos diversos para o mesmo objeto isotópico. Esta variante
sêmica para a mesma lexia transformada em palavra-ocorrência em cada narrativa capitular,
expressa, antes de tudo, a riqueza que se reveste o discurso do autor, que explana,
na diversidade dos apontamentos, certa unidade coesa e seqüencial. São os seguintes
os aspectos enunciados pelo evangelista tendo a água como signo importante em relação
a estrutura narrativa da obra:

1.º) Cap. I – de reconhecimento, aviso e marco (aspecto histórico) – Dois testemunhos
de João Batista, v. 31: “e eu não o conhecia, mas vim batizar em água, para ele
ser reconhecido em Israel”;

2.º) Cap. II – do primeiro ‘milagre’, a transformação da água em vinho (aspecto
químico) – Bodas de Caná, v. 7: “…enchei as talhas de água”.

3.º) Cap. III – de elemento ou princípio gerador e escatológico (aspectos filosóficos)
– Jesus e Nicodemos, v. 5: “Em verdade, em verdade te digo que quem não renascer
por meio da água e do Espírito Santo, não pode entrar no reino de Deus”;

4.º) Cap. III – de purificação da alma: batismo (aspecto religioso) – Novo testemunho
de João Batista, v. 23: “…porque ali havia muita água, e o povo concorria, e era
batizado”.

5.º) Cap. IV – sustentador da vida material e espiritual (aspecto biológico)
– Jesus e a Samaritana, diante do poço d’água de Jacó falando com uma mulher, v.
13: “…mas o que beber da água que eu lhe der, jamais terá sede…”;

6.º) Cap. V – a cura no sétimo dia (aspecto social) – Jesus cura um paralítico
junto à piscina probática, v. 4: “E o primeiro que descesse à piscina, depois do
movimento da água ficava curado de qualquer doença…”.

7.º) Cap. VI – o corpo de Cristo, ‘pão’ (aspecto físico) – Jesus anda sobre as
águas, v. 19 “…viram Jesus, que ia andando sobre o mar e se aproximava da barca;”.

8.º) Cap. VII – felicidade da alma (aspecto psicológico) – Jesus ensina no último
dia da festa, v. 38: “O que crê em mim, como diz a escritura, do seu seio correrão
rios de água viva.”

Os “aspectos” dos signos foram qualificados segundo um contexto discursivo em
que o termo “água” se apresentava. Alertamos, entretanto, para a constatação de
sua diversidade aspectual enunciada de forma consecutiva, como estruturas sintáxicas
pertinentes e exíguas para possível desdobramento fenomenológico.


A significação da lexia “RENASCER” como agente da potencialidade do “SER”.

No primeiro parágrafo do Cap. 3 do Evangelho de S. João, a expressão de dúvida
em Nicodemos se constata a partir da repetição no texto, por 6 vezes da expressão
“pode”, que parece inserir um grau de importância sobre a potencialidade do ser
(em Cristo), e a busca do SER tornar-se crível (em Nicodemos), exemplos: v.2 -“…porque
ninguém pode fazer estes milagres que tu fazes, se Deus não estiver com ele”; v.3
-“Não pode ver o reino de Deus senão aquele que nascer de novo”; v.4 -“…Como pode
um homem nascer sendo velho? porventura pode tornar a entrar no ventre de sua mãe
e renascer?”; v.5 -“…quem não renascer por meio da água e do Espírito Santo, não
pode entrar no reino de Deus”; v.9 -“Como se pode isto fazer?”. Naturalmente, a
questão sobre renascer” tenderia a insurgir sobre o interlocutor – Cristo – a fim
de Nicodemos precisar sua melhor interpretação, tentando também fazê-lo justificar-se.
Acresce-se que a potencialidade do ser posto em dúvida o será diante de um suposto
enunciado afirmativo (dialeticamente negado). Desse modo, Nicodemos reconduz ao
discurso de Cristo, uma outra e mesma pergunta. (Nota: na narrativa temos Cristo
respondendo uma pergunta não ouvida pelo evangelista, ou seja, por isso o diálogo
começar por uma resposta). Eis, a repetição, queremos crer, da mesma pergunta –
agora, num caráter provocativo: v.4 -“Como pode um homem nascer sendo velho? Porventura
pode tornar a entrar no ventre de sua mãe e renascer?”.

A exegese canônica tem no batismo simbólico o significado do discurso, entretanto
vale lembrar: 1) Cristo frisa duas formas distintas de ‘renascer’ e não uma só como
caberia ao batismo: v. 5 -“… quem não renascer por meio da água e do Espírito
Santo, não pode entrar no reino de Deus. O que nasceu da carne é carne, e o que
nasceu do espírito, é espírito”. 2) O estranhamento de Nicodemos, nesta interlocução,
não sugere o batismo, pois antes de Cristo já batizavam! E face esta dúvida persistente
de Nicodemos, Cristo afirma: v.7 -“Não te maravilhes…” e pela terceira vez repete
aquela frase: “Importa-vos nascer de novo”. Nota-se a questão da repetição em si
do jogo como fomento ao sinal de “voltar a ser”. O fato novo explica-se nesta frase:
“Tu és sábio em Israel e não sabes estas coisas?” 3) Ao começar o capítulo supracitado
temos o motivo pelo qual o sábio judeu procurou Cristo: v.2 -“Mestre sabemos que
foste enviado por Deus para ensinar, porque ninguém pode fazer estes milagres que
tu fazes…”. Ora, se “renascer” fosse o significado de batismo”, então os homens
batizados explicariam aqueles milagres.

Assim, confere-se ao significado de “renascer” um grau sígnico móvel na potencialidade
interpretativa do Ser em São João.

(Publicado no Boletim GEAE Número 292 de 12 de maio de 1998)

logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior