Tamanho
do Texto

Caridade e Amor

Caridade e Amor

Mas o que faz essa referência à lei do amor num capítulo sobre a caridade? A
resposta está no vínculo entre amor e caridade que indicamos na seção 3, vínculo
destacado por Kardec no comentário da passagem evangélica sobre o mandamento
maior. É no final desse comentário que aparece o primeiro enunciado do famoso
princípio: “Fora da caridade não há salvação”.

A propósito da caridade implicitamente contida no mandamento maior, vale
abrir um parêntese para lembrar que, numa outra ocasião em que Jesus foi
questionado sobre o assunto, apresentou o mandamento numa versão diferente:
“Fazei aos homens tudo o que queirais que eles vos façam”, acrescentando: “pois
é nisso que consistem a lei e os profetas” (Mt. 7:12). Nessa versão,
conhecida como a “regra áurea”, está explícito o caráter ativo do mandamento, ou
seja, a caridade. Kardec cita e comenta essa passagem no capítulo 11 do
Evangelho segundo o Espiritismo
, “Amar o próximo como a si mesmo”.

Ciente da velha polêmica teológica, em que se pretendeu usar palavras
atribuídas a Paulo para justificar a tese da salvação pela fé, Kardec
transcreveu, no item 6 desse capítulo, o trecho da primeira carta do apóstolo
aos coríntios que reproduzimos no final da seção precedente. Dá ao tópico o
título “Necessidade da caridade, segundo S. Paulo”. Seria uma provocação?
Certamente que não, pois provocações e polêmicas eram incompatíveis com seu
equilíbrio, sua serenidade e seu espírito cristão. Foi, sim, a exposição firme e
inequívoca de uma das conseqüências da análise espírita da moral e da religião,
talvez a conseqüência de maior importância para a Humanidade.

Apesar dessa concordância da análise espírita com parte da interpretação
católica da questão da caridade – a saber, a importância das obras para a
salvação –, Kardec exerce a seguir a sua imparcialidade, criticando a máxima
católica de que “Fora da Igreja não há salvação”. Após a refutação enérgica
desse princípio, estende a crítica à máxima associada, “Fora da verdade não há
salvação”. Ambos os princípios são mostrados não apenas carecer de fundamentação
evangélica e racional, mas também serem nocivos ao bem da Humanidade, já que
induzem ao sectarismo, à intolerância e ao obscurantismo.

O capítulo é encerrado com uma eloqüente comunicação mediúnica do próprio
Paulo, em que o princípio-síntese “Fora da caridade não há salvação” e o papel
do Espiritismo na sua implantação são comentados com palavras de grande
profundidade, que não nos atreveríamos a resumir aqui. Tome, leitor amigo, seu
exemplar de O Evangelho segundo o Espiritismo agora mesmo, e não adie o
privilégio de poder fruir a beleza e a transcendência de um texto como esse.

Obras citadas

  • Bíblia. Trad. João Ferreira de Almeida.Rio de Janeiro, Sociedade
    Bíblica do Brasil, s. d.
  • Bíblia. Trad. da Vulgata e anotado por Matos Soares. 5a
    ed., São Paulo, Pia Sociedade de São Paulo, s.d. (reimprimatur 1951).
  • Chave Bíblica. Brasília, Sociedade Bíblica do Brasil, 1970.
  • Chibeni, S. S. As paixões: Uma breve análise filosófica e espírita.
    Reformador
    , abril de 1998, p. 112-15 e 125-27.
  • Descartes, R. Les Passions de l’Âme. In: Adam, C. e Tannery, P.
    (eds.) Oeuvres de Descartes. Tomo XI, p. 291-497. Paris, Vrin, 1967. (As
    Paixões da Alma
    . Trad. J. Guinsburg e Bento Prado Jr. In: Descartes –
    Obra Escolhida
    , p. 295-404. São Paulo, Difusão Européia do Livro, 1973.)
  • Emmanuel. O Consolador. (Médium Francisco Cândido Xavier.) 8a
    ed., Rio de Janeiro, Federação Espírita Brasileira, 1940.
  • –––. Fonte Viva. (Médium Francisco Cândido Xavier.) 9a
    ed., Rio de Janeiro, Federação Espírita Brasileira, 1956.
  • –––. Paulo e Estêvão. (Médium Francisco Cândido Xavier.) 16a
    ed., Rio de Janeiro, Federação Espírita Brasileira, 1945.
  • Ferreira, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 1a
    ed., Rio de Janeiro, Nova Fronteira, s. d.
  • Kardec, A. O Livro dos Espíritos. Trad. de Guillon Ribeiro. 43a
    ed., Rio de Janeiro, Federação Espírita Brasileira, s.d.
  • –––. Imitation de l’Évangile selon le Spiritisme. Reprodução
    fotomecânica do original francês. Rio de Janeiro, Federação Espírita
    Brasileira, 1979.
  • –––. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Trad. de Guillon Ribeiro.
    111a ed., Rio de Janeiro, Federação Espírita Brasileira,
    s.d.
  • La Bible de Jérusalem. Paris, CERF, 1998.
  • Novo Testamento. Trad. segundo o original grego. Sociedade Bíblica
    Americana, Nova York, s. d.
  • Novo Testamento, Salmos e Provérbios. Trad. João Ferreira de
    Almeida. Os Gideões Internacionais, edições de 1977 e 1979.

Artigo publicado em Mundo Espírita, março/2000

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior