Tamanho
do Texto

Crianças que bebem

Crianças que bebem

Marcos Santos, de 16 anos, experimentou cerveja pela primeira vez aos 11,
numa festa. Ele lembra que não gostou do sabor, mas começou a consumir a bebida
sempre que saía com os amigos.

Com o tempo, passou a usar outras bebidas, como tequila. Quando se deu conta,
já estava bebendo álcool com mais freqüência do que gostaria. E, quando seus
pais viajavam, convidava os amigos e não hesitava em abrir garrafas do bar.

Há seis meses, bebeu tanto no aniversário de uma amiga que desmaiou no
banheiro e saiu carregado para o pronto-socorro. Foi quando seus pais perceberam
que precisava de ajuda.

– Ele começou a beber por influência dos amigos e perdeu o controle da
situação – conta Márcia, mãe de Marcos.

A história de Marcos é não um fato isolado.

Pesquisa feita pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas
Psicotrópicas (Cebrid) com 15.503 estudantes do Primeiro e Segundo graus, em dez
capitais, mostra que o álcool é a droga preferida entre esses jovens, com
discreto predomínio do sexo masculino.

E o início é precoce.

Cerca de 50% dos alunos entre 10 e 12 anos já consumiram bebidas alcoólicas.

Outro dado preocupante é que 28,6% beberam pela primeira vez em casa e, em
21,8% dos casos, as bebidas foram oferecidas pelos pais.

Os amigos também influenciam. O estudo do Cebrid revelou que 23,81% dos
estudantes beberam pela primeira vez devido às pressões do grupo de amigos e
28,9% já usaram álcool até se embriagar.

Segundo médicos e psicólogos, o alcoolismo entre os jovens está se tornando
incontrolável. De acordo com o questionário do Cebrid, 11% dos estudantes
brigaram após beber e 19,5% faltaram à escola.

O psiquiatra e psicoterapeuta Mario Biscaia, especialista em dependência
química, tem uma pesquisa recente sobre o alcoolismo entre os jovens e está
preocupado.

– O uso do álcool entre os jovens aumenta o número de acidentes, prejudica o
rendimento na escola e contribui para o início precoce do alcoolismo, que pode
estar associado a outras drogas – diz Biscaia.

Numa pesquisa com 170 adolescentes atendidos na Casa do Lins (um centro
especializado em usuários abusivos de drogas), a equipe constatou que 7% dos
adolescentes usavam álcool associado à maconha e à cocaína.

(fonte: jornal O GLOBO)

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior