Tamanho
do Texto

Crônicas da Vida Invisível – A Resposta de Iohan

1Nalgum lugar do maravilhoso livro de Roberto Cabral, O Violinista de Veneza, se explica que a vida por vezes nos encurrá-la, via aparentes “coincidências”, com mudanças necessárias de pensamentos, de iniciativas, a fim de nos conduzir a um estado de felicidade espiritual mais pleno. Em poucas vezes deparei noutras leituras tamanha expressão da verdade!

De uns quatro dias para cá eu andava encantada depois de assistir à versão cinematográfica da obra-prima de Victor Hugo, Os Miseráveis. Porque, como apreciadora de literatura, me confirmo fã incondicional do legendário poeta e escritor francês, desde os tempos em que, cursando a faculdade de Letras, escancarou-se ao meu acesso os grandes clássicos literários universais!

Paralelo a isso, eu contava já de há mais de um mês com uma extensa fila de livros novos para ler. Mas o começo de ano corrido, em ritmo frenético com férias, viagens, taxas a pagar entre outra extensa série de compromissos acabou por me empurrar involuntariamente este prazer para um momento mais pacificado. Ainda porque, em se tratando de obras de teor espírita, necessito particularmente de estado de espírito condizente e atmosfera propícia para a devida assimilação do conteúdo, desfrutando, deste modo, da leitura assim como acontece quando sorvemos aos poucos uma aromática xícara de café!

Ontem, uma sexta-feira, sentindo chegado enfim um momento adequado, olhei para a sacola da livraria ainda do mesmo jeito guardada sobre a escrivaninha, com os livros. Já tinha me ocorrido no mesmo dia umas duas vezes a ideia de começar com a citada obra de Roberto Cabral, obviamente comprada em sintonia espontânea com a aura que de tempos a esta parte me cerca desde que se iniciou minha parceria mediúnica com Iohan, o querido músico das esferas invisíveis que fora violinista em mais de uma de suas reencarnações anteriores. Até aquele momento, portanto, apenas intuindo que possivelmente ele tivesse participado da influenciação à compra do livro, meio a meio com minhas próprias inclinações, tomei-o para ler e, ignorando a programação enfadonha da TV, joguei-me gostosamente no sofá da sala, começando. E não consegui mais me separar da leitura! Por razões que impressionavam!

Precisaria narrar detalhadamente o conteúdo do livro para melhor explicar, mas, para os fins deste artigo, resumo que trata-se da história de um professor de violino que, na Europa do século XIX e em Veneza, se vê afastado de seu grande amor, a menina dos olhos de anjo e sua aluna, por causa da sua resistência teimosa em não aceitar ou, ao menos, não querer investigar com isenção os fenômenos mediúnicos das mesas girantes que avassalavam a Europa naquela época – principalmente a partir da França, quando – vejam, Victor Hugo! – em pleno tempo de exílio, se dedicava com fervor ao estudo de todos estes fatos, promovendo, ele mesmo, as reuniões com as mesas!

Ora, conforme eu ia lendo lembrava-me também do nosso próprio romance, lançado ano passado, Sonata ao Amor, contando o drama sofrido de Iohan em sua última reencarnação: um professor de violino vitimizado pela prova dolorosa de ser um portador do HIV, e toda a sua luta ao apaixonar-se por uma aluna, tendo que enfrentar os preconceitos da sociedade, e encontrando, junto a ela, a redenção de seus dilemas ao deparar as explicações situadas todas nos episódios trágicos de suas vidas anteriores! E comecei a desconfiar que o querido mentor de nossas atuais parcerias literárias, de caso pensado, me havia conduzido a esta obra inspirada de Roberto Cabral, a fim de ainda uma vez ilustrar como tudo é encadeamento e simbiose de intenções quando nos dispomos a trabalhar na missão de divulgação das verdades maiores da vida, sem esmorecimentos, o que vez ou outra ameaça o médium mergulhado nas canseiras e compromissos que o enredam em várias frentes durante sua trajetória material! E após ler, empolgada, a passagem na qual o protagonista, Antonio, promove voluntariamente uma breve sessão mediúnica de confirmação da presença de um Espírito em sua casa, a partir de perguntas respondidas com pancadas, me ocorreu, ao me recolher para dormir ontem, pedir o mesmo ao meu paciente amigo da invisibilidade. Queria dele, ainda uma vez, a bondade de uma confirmação da sua influenciação naquele caso, para não ficar dada a achar se tratar de uma coincidência sem cabimento, e, diga-se, grandemente desanimadora, quando tantos detalhes concorriam para me comprovar exatamente o contrário! Assim, encerrei-me em meu quarto perto da meia-noite, e me coloquei em estado de prece e concentração.

No entanto, empolgada pela iniciativa de improviso, e momentaneamente esquecida de que cada mentor nos acessa em dependência direta da sintonia com os recursos fluídicos do próprio médium, cometi o equívoco de solicitar dele um tipo estrito de resposta no formato do que promoveu o protagonista do livro. Pedi que, fosse de fato verdade a sua presença e influenciação para ler justo aquela obra, com intenção benéfica de incrementar certezas apaziguadoras na sua medianeira a fim de darmos continuidade tranquila aos nossos projetos de futuro, que desse uma pancada leve no quarto, em sinal de “sim.” Mas passaram os minutos, para minha decepção, no mais franco silêncio!

Todavia, antes de me abandonar a um estado de desânimo absoluto, após repetir inutilmente a solicitação mal refletida, ocorreu-me mergulhar de novo em prece fervorosa a Jesus, renovando meu pedido mas de modo diferente. Atinei para o fator importante de que devem prevalecer nestas vivências o sentido de utilidade real, o que só é bem avaliado a partir da ótica de cima dos mentores. Atinando com o meu engano, disse a Iohan que entendia que talvez meu modo de pedir fosse equivocado, e mesmo o propósito ou o momento em que solicitava dele este favor. E que, então, se lhe fosse possível me responder com o mesmo “sim” de forma mais apropriada aos meus recursos mediúnicos, que o fizesse por influenciação mental, como costuma se comunicar comigo. Ou através de sugestão ocasional a minha filha, naquele instante ainda acordada em seu quarto, ou ainda a meu pai – atualmente residindo em Aracaju – para enviar-me uma mensagem qualquer pelo celular. E eu entenderia aquilo como uma confirmação condigna!

Pois não se passaram cinco minutos desta nova solicitação, amigo leitor, e ao meu lado na cama, no escuro do quarto, soou o celular com duas mensagens de meu pai, versando sobre assuntos cotidianos!

Eis, portanto, e oferecida de maneira maravilhosa, encantadora, a resposta deste outro exímio violinista da vida invisível e um de meus mentores! A confirmação tão ansiada!

A resposta de Iohan!

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior