Tamanho
do Texto

Enquanto Vivem na Escuridão

No trabalho de desobsessão, a equipe é composta de: Dirigente, Doutrinadores,
Médiuns e Apoiadores (ou Assistentes). Todos os componentes tem as suas funções,
as suas responsabilidades. TODOS SÃO IMPORTANTES! Podemos comparar o grupo de
desobsessão ao corpo humano: os olhos tem a sua utilidade, assim como as mãos,
os pés,… O corpo humano sem a visão fica prejudicado, e assim por diante! Não
devemos invejar a função alheia. Temos o nosso papel dentro do grupo e devemos
fazer a nossa parte da melhor maneira possível!

Vamos, então, descrever a finalidade de cada membro do grupo mediúnico:

DIRIGENTE

( )“O Dirigente da reunião é aquele que preside os trabalhos, encaminhando
todo o seu desenrolar. É o responsável, no plano terrestre, pela reunião. A
figura daquele que dirige é de muita importância para todo o grupo. Deve ser uma
pessoa que conheça profundamente a Doutrina Espírita e, mais do que isto, que
viva os seus postulados, obtendo assim a autoridade moral imprescindível aos
labores dessa ordem. Esta autoridade é fator primacial, pois uma reunião
dirigida por quem não a possui será, evidentemente, ambiente propício aos
Espíritos perturbadores. Diz-nos Kardec que a verdadeira superioridade é a moral
e é esta que os Espíritos realmente respeitam. É ele que irá infundir nos
integrantes da equipe a certeza de uma direção segura e equilibrada. O Dirigente
precisa ser, pois, alguém em quem o grupo confie, uma pessoa que represente para
os encarnados a diretriz espiritual, aquela que na realidade sustenta e orienta
tudo o que ocorre. Ele é o representante da direção existente na
espiritualidade, o pólo catalisador da confiança e da boa vontade de todos.”

DOUTRINADOR

Fomos buscar as informações necessárias sobre o papel do Doutrinador nas
seguinte fontes: “Diálogo com as Sombras” (Hermínio Miranda) e “Obsessão e
Desobsessão” (Suely Shubert). Vamos ver, então, o que eles relataram:

( )”Num grupo mediúnico, chama-se Doutrinador a pessoa que se incumbe de
dialogar com os companheiros desencarnados necessitados de ajuda e
esclarecimento. Qualquer bom dicionário leigo dirá que doutrinar é
instruir em uma doutrina, ou simplesmente, ensinar. E aqui já começamos a
esbarrar nas dificuldades que a palavra doutrinador nos oferece, no
contexto da prática mediúnica. Em primeiro lugar, porque o Espírito que
comparece para debater conosco os seus problemas e afeições, não está em
condições, logo nos primeiros contatos, de receber instruções doutrinárias, ou
seja, acerca da Doutrina Espírita, que professamos, e com a qual pretendemos
ajudá-lo. Ele não vem disposto a ouvir uma pregação, nem predisposto ao
aprendizado, como ouvinte paciente ante um guru evoluído.”

( )”Esclarecer, em reunião de desobsessão, é clarear o raciocínio; é levar
uma Entidade desencarnada, através de uma série de reflexões, a entender
determinado problema que ela traz consigo e que não consegue resolver; ou
fazê-la compreender que as suas atitudes representam um problema para terceiros,
com agravantes para ela mesma. É levá-la a modificar conceitos errôneos,
distorcidos e cristalizados, por meio de uma lógica clara, concisa, com base na
Doutrina Espírita e, sobretudo, permeada de amor. Essa é uma das mais belas
tarefas na reunião de desobsessão e que requer muita prudência, discernimento e
diplomacia. Que requer, principalmente, o ascendente moral daquele que fala
sobre aquele que ouve, que está sendo atendido. Esse ascendente moral faz com
que as explicações dadas levem o cunho da serenidade, da energia equilibrada e
da veracidade.

(…) O esclarecimento não se faz mostrando erudição, conhecimentos
filosóficos ou doutrinários. Também não há necessidade de dar uma aula sobre o
que é o Espiritismo, nem mostrar o quanto os Espíritos trabalham. Como não é o
instante para criticar, censurar, acusar ou julgar. Esclarecer não é fazer
sermão. Não surtirão bons resultados palavras revestidas de grande beleza, mas
vazias, ocas, frias. Não atenderão às angústias e aflições daquele que sofre e
muito menos abrandarão os revoltados e vingativos.

(…) Para sentir aquilo que diz, é essencial ao doutrinador uma vivência que
se enquadre nos princípios que procura transmitir. Assim, a sua vida diária deve
ser pautada, o mais possível, dentro dos ensinamentos evangélicos e
doutrinários. Inclusive, porque os desencarnados que estão sendo atendidos, não
raro, acompanham-lhe os passos (não somente o doutrinador, mas também aos demais
integrantes da equipe), para verificar o seu comportamento e se há veracidade em
tudo o que fala e aconselha. Eis o motivo pelo qual Joanna de Ângelis recomenda:
“(…) quem se faz instrutor deve valorizar o ensino, aplicando-o em si mesmo.””

MÉDIUNS

( )”O médium, desde os instantes iniciais de sua trajetória na seara
mediúnica espírita, aprende que a prática dessa faculdade exigirá dele – se
quiser produzir algo de proveitoso em benefício dos que sofrem e,
concomitantemente, conseguir o desenvolvimento de sua aptidão – esforço e
dedicação, estudo metódico e constante do Espiritismo, perseverança, disciplina
e muita vontade de se renovar, de se transformar, para o que deverá também aliar
o trabalho da caridade aos requisitos mencionados.

(…) Serão testados na boa vontade, paciência e perseverança no trato tanto
do obsidiado como dos obsessores; serão mesmo vigiados por estes últimos que lhe
espreitam os passos, pondo-lhes à prova a resistência e a fé. Estarão, enfim,
cooperando para o labor sagrado da cura das almas – finalidade maior da Doutrina
Espírita. (…) A atuação propriamente dita dos médiuns, durante uma sessão
mediúnica de desobsessão, é de vital importância para o bom andamento dos
trabalhos. Eles são os instrumentos de que o Mundo Maior se utilizará para o
pronto atendimento aos Espíritos sofredores e obsessores. (…) A incorporação
de um obsessor ou de um suicida, por exemplo, é bastante penosa para o
medianeiro. As vibrações desses Espíritos, a atmosfera psíquica em que vivem
repercutem profundamente no médium. Este passa a se identificar com os
sofrimentos ou perturbações que apresentem, como também sentirá os reflexos das
angústias e dos sentimentos de que são portadores.”

( )”Há manifestações difíceis, dolorosas, que deixam resíduos vibratórios
perturbadores. Em casos assim, o médium não deve ser deixado à sua sorte, com as
dores e as canseiras resultantes. Se o Dirigente não puder socorrê-lo com um
passe restaurador, designe alguém do grupo para fazê-lo, mas diga-lhe uma breve
palavra de carinho ou lhe faça um gesto de solidariedade, para que o médium
sinta o apoio e a compreensão para a sua árdua tarefa.”

( )”O doente espiritual que se comunica mediunicamente, começa a receber
tratamento de que necessita, quando energias equilibradas contém as suas
manifestações destrambelhadas. Dessa forma, se o médium secundar-lhe e
endossar-lhe o descontrole emocional e verbal, não raro estará contribuindo para
cristalizar ainda mais os seus problemas. O médium ao apassivar-se, cedendo a
sua instrumentalidade orgânica ao intercâmbio com Espíritos menos felizes, deve
exercer um completo controle sobre o enfermo. Disciplinando gestos agressivos,
palavras contundentes, comentários maliciosos, estará exercendo a Caridade
preconizada pelo Senhor.”

ASSISTENTES/APOIADORES/PARTICIPANTES

( )”O participante, porém, precisa estar preparado para a eventualidade de
conviver com o grupo por longos anos, sem que nenhum fenômeno ostensivo se passe
na intimidade de seu ser. Não pense, porém, que é inútil, só porque não
incorpora, não vê ou não ouve Espíritos; às vezes, sua participação é preciosa.
Conserve-se firme e tranqüilo; contribua para manter um bom ambiente de
vibrações amorosas, vigie seus pensamentos, permaneça concentrado e em prece nos
momentos mais críticos. Não se aflija se a sua contribuição é menos ostensiva.
Num grupo bem harmonizado, todos são úteis e necessários, como já ensinava
Paulo, há tantos séculos:

– Com efeito – dizia ele aos Coríntios (Primeira Epístola, cap. 12, vers. 14
e seguintes) – o corpo não se compõe de um só membro, senão de muitos. Se o pé
dissesse: “Como não sou mão, não pertenço ao corpo”, deixará de ser parte do
corpo por isso? Se todo corpo fosse olho, onde ficaria o ouvido? E se fosse todo
ouvido, onde ficaria o olfato?

Nada, pois, de ambicionar, ou mesmo desejar, faculdades para as quais não
estamos preparados, ou pelo menos, ainda não estamos preparados.”

(Publicado no Boletim GEAE Número 450 de 25 de fevereiro de 2003)

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior