Tamanho
do Texto

A Felicidade: uma busca ou um despertar?

A busca da felicidade tornou-se uma expressão de incentivo muito popularizada nos dias atuais, principalmente nas palestras e nos livros e artigos de autoajuda.


Dentre tantos exemplos, podemos empregar o verbo “buscar” nas seguintes formas, conforme nossos dicionários:


  1. a) esforçar-se, excessivamente, para encontrar algo ou alguém;

  2. b) conseguir ou conquistar;

  3. c) empenhar-se em conseguir algo com esforço próprio;

  4. d) buscar forças de dentro de si mesmo para vencer os desafios.


No primeiro momento, a expressão “buscar a felicidade” nos dá o entendimento de que a felicidade pode estar ao nosso lado ou em algum lugar distante, podendo a mesma ser representada por um objetivo a ser alcançado ou por um objeto a ser adquirido, ou por uma pessoa a ser conquistada ou por uma situação a ser vivenciada.


É muito comum ouvirmos expressões exclamativas do tipo:


– Quando eu conseguir o emprego dos meus sonhos, eu serei feliz!


– Quando eu conseguir o meu primeiro carro, eu serei feliz!


– Quando eu conseguir me casar, eu serei feliz!


– Quando eu conseguir a minha casa própria, eu serei feliz!


Logo, a felicidade, ainda, é algo que se busca sob a condição da realização de algum evento futuro e incerto, e que depende de um incentivo ou de um motivo para a sua realização.


E, dessa forma, seguimos a caminhada pela vida, buscando a felicidade no mundo exterior ao da nossa consciência, isto é, através das conquistas das coisas materiais, das pessoas e da realização de um sonho.


No segundo momento, ouvimos mais e mais depoimentos daqueles que, após terem conquistado as coisas materiais, as pessoas e realizado os seus sonhos, conforme planejado na busca da felicidade, ainda não se deram por satisfeitas e continuam infelizes, reclamando e planejando novas conquistas no âmbito do mundo exterior ao da consciência.


Então, caro leitor, convém, neste momento, trazermos a este nosso artigo a célebre inscrição, divulgada à humanidade pelos ensinamentos do filósofo Sócrates:


– Conhece-te a ti mesmo!


E-ainda: trazemos aqui o ensinamento do Mestre Jesus Cristo, quando Ele respondeu a Pilatos: “- O meu reino não é deste mundo”. (João, 18:36)


Com essa resposta o Mestre confirma e dá sustentáculo à passagem bíblica em Eclesiastes: “A felicidade não é deste mundo”.


Pois, vejamos bem: Jesus responde aos fariseus que “o reino de Deus não virá com aparências exteriores. Nem se dirão: – Ei -lo ali, ei-lo acolá! Porque o reino de Deus está dentro de cada um de nós”. (Lucas 17: 20 e 21)


E-mais: Não podemos nos esquecer da questão 621 de O Livro dos Espíritos, quando o Espírito de Verdade responde ao codificador, Allan Kardec, que “a lei de Deus está escrita na consciência”.


***
Todos nós nascemos (= reencarnamos) para nos tornarmos Espíritos melhores, mais aperfeiçoados, mais felizes. Ou seja: todos nós vivemos e convivemos em busca da felicidade.


Para isso, precisamos desenvolver o autoconhecimento, ou seja, fazer uma viagem abordando, em nossa intimidade, os quesitos que necessitam de reformas e as más inclinações a serem domadas, fazendo um mapeamento estrutural e organizacional da nossa casa mental, promovendo melhoria e fortalecimento da consciência para o bem de nós mesmos e da coletividade.


Isso pela razão de que a felicidade verdadeira mora dentro de cada um de nós, onde está instalado o reino de Deus e onde está escrita a lei divina.


Portanto, caro leitor, diante do exposto, a felicidade deve ser buscada no desenvolvimento do autoamor, através da valorização das pequenas coisas da vida que, na verdade, são de grande significação para uma vida saudável, feliz, a exemplo de tocar numa flor, acariciando-a; atravessar um idoso de um lado de uma rua para o outro; ceder o lugar aos mais velhos e aos que têm direitos especiais; dar a devida preferência aos pedestres no trânsito; cumprimentar as pessoas e desejá-las “bom dia”, “boa tarde” ou “boa noite”, mesmo que se tratam de desconhecidos; cuidar de um jardim e sorrir para a vida, para as pessoas e para si mesmo; realizar trabalhos voluntários; etc…


E, assim, seguiremos despertando a felicidade que já mora e já se encontra instalada dentro de cada um de nós, em nossos respectivos “mundinhos” das nossas respectivas intimidades.


Logo, a felicidade deve ser buscada e despertada, através do esforço e da vontade…


Pensemos nisso e muita paz!

 

Autor: Yé Gonçalves

Contato: yegoncalves@gmail.com

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior