Tamanho
do Texto

Nehemias Marien: O Pastor Que Aceita o Espiritismo

Nehemias Marien: O Pastor Que Aceita o Espiritismo

Nehemias Marien é um pastor sensível, que transmite muito carisma, e afirma
ter uma mentalidade holística. Assume sua mediunidade, fala sobre as evidências
da reencarnação, em várias passagens bíblicas, e abre espaço para pregação da
doutrina espírita em sua igreja. É que, para ele, “o Espiritismo é o mais
caudaloso afluente do Cristianismo”, a Bíblia o mais antigo livro de psicografia
e mediunidade, Cristo o médium perfeito, e diz que a mentalidade kadecista todos
nós a temos.

Marien demonstra ainda um grande respeito por Chico Xavier, com quem já
esteve duas vezes, e por Dom Héider Câmara.

Apesar de todos estes pontos de vista, com independência ideológica, ainda
consegue o respeito de sua comunidade, onde é pastor da Igreja Presbiteriana
Bethesda, em Copacabana, há 26 anos,

Nehemias, autor do livro Transcendência e Espiritualidade, é uma das grandes
estrelas, com cadeira e público cativos, em todas as nove edições do Encontro
para a Nova Consciência, realizado no período carnavalesco em Campina Grande,
onde ele abriu um espaço na sua apertada agenda e nos recebeu, carinhosamente,
para esta entrevista. Ele é conhecido nacionalmente inclusive já participou do
programa Jota Silvestre, respondendo sobre as sagradas escrituras, das quais é
um profundo conhecedor do assunto.

Pastor, qual é a sua Igreja e onde fica?

Minha igreja e uma betel, Vamos dizer, uma palavra hebraica, todo lugar, onde
o ser humano está presente em Deus, o eterno, na imensurável transcendência. Eu
tenho até constrangimento de dizer em que igreja, porque minha igreja é você,
estarmos, juntos, a eclésia no pensamento de Jesus, lá na Cesaréia, quando pela
primeira vez disse “eu vou edificar a Igreja”. É isso ai, é a vida, é o
trabalho, é família, caminhada, Quando as pessoas estão juntas, mesmo que não
pensem da mesma maneira é uma igreja, é uma comunidade holística. Agora, sou de
formação Calvinista, sou pastor presbiteriano, lá em Copacabana, já há 43 anos,
sem sair da igreja. Meus pais eram missionários lá em Mato Grosso, onde eu
nasci, morei na Inglaterra, um período na França e estou no Rio de Janeiro há 26
anos, pastoreado a Igreja Presbiteriana Bethesda.

É verdade que o senhor acredita em reencarnação?

Olha só, muito grato pela pergunta. Até o ano de 546, no Concílio de
Calcedônia, o Espiritismo fazia parte dos cânones da Igreja. Depois, por
discussões mais administrativas e menos teológica, foi banido do cânone oficial
e hoje a doutrina espírita, para a maioria dos pressupostos evangélicos, porque
assim, numa confusão chamar de evangélicos só os crentes entre aspas, né?
Evangélico é quem anuncia a Boa Nova. Então, eu sou professor de Teologia
Bíblica e de Ciências Bíblicas. É meu livro de cabeceira. No estudo da Bíblia,
as evidências da reencarnação são assim clauburosas e eu acho que o Espiritismo
é a mais caudalosa vertente do Cristianismo, pelas idéias. Você encontra, tanto
no Antigo como no Novo Testamento, evidências claras da reencarnação, isto é, do
prosseguir da vida. Tanto Pedro, o pressuposto grande apóstolo Pedro, fala na
sua segunda encíclica, no final da Bíblia, fala sobre a existência do espírito
após a morte e nesta evolução do ser humano. E também São Judas, o apóstolo de
Cristo, na sua epístola final, também fala sobre o mesmo tema. Então, sou uma
pessoa estudiosa, aberta. Eu não tenho muros de espécie alguma. Eu tenho uma
visão holística e aprendo muito com meus amados irmãos espíritas. Eu tenho um
livro Transcendência e Espiritualidade, onde abordo mais diretamente o assunto.
Estou crescendo assim, nesta área e num certo diálogo. Tem algumas coisas que eu
não entendo, pelos meus limites bíblicos e culturais, como também não entendo o
próprio Cristo. Como vou compreender plenamente Allan Kardec?

O senhor já manifestou este ponto de vista reencarnacionista na sua
igreja?

Ah, sim, sim. A minha comunidade é uma igreja grande. Somos cerca de 350
congregados, tem cinco pastores, é um colegiado pastoral, além do livro. O livro
é público, editado aí. Eu tenho participado de revistas. Por exemplo, no começo
do ano a Revista Espírita Allan Kardec publicou uma síntese do pensamento meu, a
respeito. A igreja ouve-me, aceita. Eu sou o pastor titular. Somos cinco
pastores, mas estou ali, orientando a igreja, neste sentido. Eu não tenho nada
de secreto na minha vida pastoral.

Qual a receptividade do público de sua igreja, em relação ao seu conceito
reencarnacionista?

Bem, a igreja, ela me aceita plenamente, mas eu tenho a impressão que não só
sobre o meu aspecto filosófico, teológico, doutrinário sobre o Espiritismo, mas
em outros também. Porque eu, pessoalmente, Nehemias Marien, sou uma espécie de
espinho de peixe na garganta da minha própria igreja, mas aceitam e vão atrás.
Como diz o Mestre: “o pastor vai à frente do rebanho e o rebanho o segue, porque
conhece a voz do seu pastor”. Não segue em frente, mas segue a mim, mesmo que me
engulam, vamos dizer assim goela abaixo, por não entenderem bem minhas nuances
teológicas e espirituais, eles me aceitam. A gente vive num amor perfeito. Lá na
minha igreja pregou Libório Siqueira, que é desembargador, um grande espírita. O
Gérson Azevedo, que é ex-presidente da Federação Espírita do Rio de Janeiro.
Vários espíritas pregando na Igreja. Não vão lá visitar não. É subindo ao
púlpito. É um púlpito bonito, mais alto. Usam até toga e se não quiser
fardamento, ficam como estão, elegantemente vestidos e pregam lá. Então é uma
igreja aberta.

Já que o senhor acredita na reencarnação, o que o faz continuar
professando a teoria presbiteriana?

Olha, eu estou presbiteriano. Eu até não gosto muito desta palavra
presbiteriano porque Calvino, João Calvino, que é o estruturador do pensamento
teológico protestante, ele bebia muito lá na Idade Média. Mandou crucificar na
maneira de falar, mandou queimar vivo Serventus, um médico, porque discordava
dele. Criou uma doutrina chamada doutrina da predestinação. Eu bato de frente
contra isso. Agora eu estou lá, porque, acho que estamos num “pool” de idéias e
a minha cabeça é holística. Assim, vamos dizer, Nehemias Marien, teológica e
pastoralmente é um caleidoscópio. A beleza do caleidoscópio é exatamente ter
vidros quebradinhos, bonitos e funcionais, com figuras geométricas de grande
dimensão espiritual.

O senhor já estudou a doutrina espírita?

Eu tenho o livro O Evangelho Segundo o Espiritismo e vários livros de Allan
Kardec.

E qual a sua opinião sobre a doutrina espírita?

Eu acho que o Espiritismo é o mais caudaloso afluente do Cristianismo.
Considero a bíblia como o mais antigo livro de psicografia e mediunidade. Eu
acho que Jesus era o médium perfeito e que a mentalidade kardecista todos nós a
temos.

Sobre a mediunidade, pastor, o que o senhor diz?

Olha, nós todos somos médiuns. Queiramos ou não. É uma questão de reconhecer,
constatar e disciplinadamente desenvolver. Agora, há muitos preconceitos. Nossa
cabeça é assim muito cheia de preconceitos, conceitos não, mas preconceitos
temos demais. Então, eu acho o seguinte: eu, a respeito da mediunidade até agora
estou sentindo… (emociona-se e chora). Eu acho que o verdadeiro servo de Deus
é um médium. Ele não fala de si. Vamos dizer, entre aspas, traduzindo
sentimentos, é uma incorporação espiritual. Ele não é dono dele, é um veículo,
um canal. O importante é a mensagem que transmite.

E quanto à comunicabilidade com os espíritos, o que o senhor diz?

É isso que eu estava tentando passar. Eu tenho, até não entendo bem este
espírito meu, mas eu tenho a impressão que é uma índia, minha Biquara, mãe de
minha mãe, minha avó Joana. Eu sinto assim, uma certa colocação, uma certa
energia dela para mim. Todas as vezes que eu abro o texto sagrado, para as
homílias, as pregações, os sermões, sinto que estou fora de mim. Eu admito esta
transcendência da espiritualidade, esta invasão do céu no coração humano,
através da mediunidade.

Como o senhor encara os sucessivos ataques de pastores ao Espiritismo?

Bom, como eu diria, nossos amados irmãos são aliados. Estamos todos no mesmo
barco, mas eles fazem parte da artilharia. O artilheiro é o soldado, que vem lá
atrás. A infantaria somos nós, a doutrina espírita, aqueles que vão lá para
frente. A artilharia, ao abrir espaço à frente, solta as bombas, mas são muito
ruins de cálculos matemáticos, erram os cálculos e acabam dizimando os próprios
aliados. É o que acontece, criticando o Espiritismo, que está na mesma dimensão
espiritual. Eu os chamo, vamos dizer assim, de bonsais espirituais, aquela
plantinha que não cresce. Lá em Tóquio vi todo um horto só de bonsai, bonitos,
mas não se desenvolveram espiritualmente. Estes que atacam nossos irmãos
espíritas e outras tradições, com as quais não concordam, e uma espécie de
pitimbus. Eu acho que os ventos contrários firmam raízes de árvore e o avião
sobe mais alto. Acho que é como burilando um diamante, que vira brilhante.

Na sua opinião, qual seria o caminho mais eficiente para a Humanidade
seguir em direção ao Ecumenismo?

Eu penso mimo Melânquico, o grande reformador do século XVI. Ele tem uma
fórmula e diz assim: “Unidade absoluta, naquilo que é essencial, o amor, por
exemplo. Liberdade absoluta em tudo que é duvidoso e caridade em todas as
coisas”. Acho que este é o caminho do ecumenismo.

O que o senhor acha de Chico Xavier?

Chioco Xavier e um nome-legenda na da Espiritualidade, nacional e mundial. Eu
tive o privilégio de estar com ele, duas vezes. Fui fazer uma sede de
conferências do Rio à Brasília. Viajei de carro e propus ao meu amigo levar-me
em Uberaba. Oramos juntos. Olha, Chico Xavier e Dom Hélder Câmara são pessoas
que me fizeram muito bem pela prece ao meu favor. Rogo a Deus que este ícone da
Espiritualidade, que o Mundo todo respeita, tenha assim muitos, muitos e muitos
privilégios desta bênção inaudita de transbordar a espiritualidade como ela vem
fazendo pelo santo Chico Xavier.

Espaço aberto para sua mensagem final.

Rogo a Deus que haja uma nova consciência no ser humano e que é difícil abrir
ao espírito. Ele, como vento, sopra onde quer, já que aqui a vida é grande
Pentecostes. Que Deus abençoe os irmãos e irmãs, grandes e pequenos, que
participam desta festa eucarística do Programa Nova Consciência.

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior