Tamanho
do Texto

Parábola dos Servos Inúteis

Parábola dos Servos Inúteis

“Disseram os apóstolos ao Senhor: Aumenta-nos a fé. E o Senhor respondeu:
Se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a esta amoreira: arranca-te e transplanta-te
no mar, e ela vos obedecerá. Qual de vós, tendo um servo ocupado na lavoura ou guardando
gado, lhe dirá, quando ele se recolher do campo: vai já te pôr à mesa, e que, ao
contrário, não lhe ordene: prepara-me a ceia, cinge-te, e serve-me enquanto eu como
e bebo; depois comerás tu e beberás? E quando o servo tenha feito tudo o que lhe
foi ordenado, porventura lhe fica o senhor em obrigação? Creio que não. Pois assim
também vós, depois de terdes feito tudo o que vos foi mandado, dizei: Somos uns
servos inúteis; fizemos apenas o que devíamos fazer”. (Lucas, 17:5-10).

Como se depreende facilmente do texto supra, ao tempo em que Jesus esteve entre
nós, os operários rurais, finda sua jornada de trabalho no campo, tinham ainda outros
deveres, quais sejam: preparar e servir a ceia a seus patrões, e só então é que
iam cuidar de si mesmos.

Era, sem dúvida, um regime duro, inaceitável nos dias de hoje, mas, como fazia
parte do contrato de emprego, nenhum trabalhador achava, nem poderia achar, que
fazia mais do que a obrigação. Nem seus amos, tampouco, ficavam a dever-lhes qualquer
reconhecimento por isso.

O Mestre, com sua capacidade extraordinária de improvisar as mais sábias lições,
aproveitando-se da paisagem que o circundava ou dos costumes da época, ao ouvir
a rogativa dos apóstolos: “Senhor, aumenta-nos a fé”, depois de exaltar os poderes
miraculosos desta preciosa virtude, fá-los compreender que, para ser fortalecida,
a fé tem que se apoiar em atos de benemerência, em devotamento ao próximo, em renúncia
pessoal a benefício dos semelhantes.

Assim como a percepção de maiores rendimentos pecuniários seja na lavoura, no
comércio ou na indústria, depende da produtividade de cada um. Também a fé, que
é o salário da alma, só pode ser aumentada, naqueles que demonstrem espírito de
serviço e se empenhem, com afinco, no campo do altruísmo e da fraternidade cristã.

Sim, porque, como disse Tiago: “a fé sem obras é morta”, e o que está morto não
pode crescer, não é passível de desenvolvimento. Só os organismos vivos é que possuem
essa faculdade.

Aqueles que dizem: ”a fé é uma só e supõem seja ela infundida de um jato, como
um favor do céu a uns poucos privilegiados, evidentemente laboram em erro“.

Ensinando, aos que partilhavam do colégio apostólico, qual o “processo” para
aumentá-la, Jesus desmente tal concepção, eis que não há nada estático no universo,
e a fé, como tudo o mais, também é dinâmica, evolve e se aperfeiçoa.

Mister, entretanto, que, na prática do Bem, guardemos sempre uma atitude de sincera
modéstia, alijemos de nosso coração qualquer laivo de orgulho, qualquer pretensão
de superioridade. Após cada gesto de amor que tenhamos ensejo de praticar, demos
graças a Deus pela oportunidade de servir que nos ofereceu, dizendo-lhe humildemente:
“Somos uns servos inúteis; fizemos apenas o que devíamos fazer”.

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior