livro evolução bíblia

Tamanho
do Texto

QUANDO SE TROCA A EVOLUÇÃO PELA INVOLUÇÃO

Quando os tradutores atuais fazem a tradução de uma obra antiga, eles procuram melhorá-la. Mas com a Bíblia, na verdade eles têm procurado adaptar as ideias dela às suas doutrinas, principalmente as dogmáticas polêmicas.

 De acordo com um texto evangélico antigo, até 1950 mais ou menos, e comum em todas as Bíblias, numa conversa de Jesus com Nicodemos, um homem importante entre os judeus, tal texto era assim: “… Em verdade, em verdade te digo que se alguém não ‘nascer de novo’, não pode ver o reino de Deus.” (João 3: 3). Mas como a ideia da reencarnação se tornou hoje muito comum, a frase ‘nascer de novo’, lembra claramente a reencarnação. Então não deu outra. Os tradutores bíblicos se apressaram em mudar esse texto ‘nascer de novo’. E foi fácil, pois o adjunto adverbial grego “anothen” (de novo) significa também ‘do alto’. E, assim, a passagem é necessário ‘nascer de novo’, depois de dois mil anos, passou a ser é necessário nascer ‘do alto’. Mas, como se diz, “a emenda ficou pior do que o soneto”, pois, realmente, ficou muito claro que os tradutores de hoje querem mesmo é esconder a ideia da reencarnação!

Outro exemplo está no Velho Testamento. Ele trata da lei de causa e efeito ou cármica muito presente não só na Bíblia, mas também, em outras escrituras sagradas. Ei-lo: “…porque eu sou o Senhor teu Deus, Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos ‘na’ terceira e quarta gerações daqueles que me aborrecem.” (Êxodo 20: 5). Essa era a tradução, “ipsis litteris”, da Bíblia de João de Almeida de 1930. E a sua interpretação é a seguinte: ‘Nas’ suas terceiras e quartas gerações, ou seja, as dos seus netos e bisnetos, os avós e bisavós, que pecaram já teriam desencarnado. Isso quer dizer que os espíritos dos avós e bisavós que pecaram no passado, agora já desencarnados, podem reencarnar em alguns de seus netos (terceira geração) ou bisnetos (quarta geração), isto é, nas terceiras e quartas gerações dos ‘mesmos espíritos’ que pecaram no passado e agora pagam os seus pecados. Era comum entre os povos antigos que os espíritos reencarnavam em seus descendentes, o que, de fato, ocorre. E os tradutores de hoje trocaram ‘nas’ (em mais as) por ‘até’ as, ficando a ideia absurda de ‘até a’ terceira e quarta gerações, pondo todos os descendentes pagando o pecado dos seus antecedentes (pais) que pecaram, o que seria uma injustiça, e Deus é justíssimo! Na Vulgata de São Jerônimo está também assim “in tertiam et in quartam generationem (‘na’ terceira e quarta gerações, e não ‘até’ a terceira e quarta gerações. Os tradutores falsificaram, pois, mais esse texto para ocultar a ideia da reencarnação.

Realmente, as traduções novas bíblicas cristãs nem sempre são uma evolução, mas uma involução para o verdadeiro conhecimento da Bíblia e do cristianismo!

PS: Recomendo “Modigliani – Mistérios a um toque de Amor”, de Alex Ribeiro do Prado, Ed. Chico Xavier

Autor: José Reis Chaves

Unidades Feal

FUNDAÇÃO ESPÍRITA ANDRÉ LUIZ |||

Feal

Você gostou deste conteúdo?

Há décadas a FEAL - Fundação Espírita André Luiz assumiu o compromisso de divulgar conteúdos edificantes voltados ao bem estar dos seres humanos gratuitamente e, com a sua ajuda, sempre será.

Podemos contar com você?
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior