Tamanho
do Texto

A pluralidade das existências – Reencarnação

A pluralidade das existências – Reencarnação

Allan Kardec foi bastante racional nas considerações que teceu sobre a
pluralidade das existências. A certa altura ele diz:

“Se não há reencarnação, não há mais do que uma existência corporal, isso é
evidente. Se nossa existência corporal é a única, a alma de cada criatura foi
criada por ocasião do nascimento, a menos que admitamos a anterioridade da alma.
Mas nesse caso perguntaríamos o que era a alma ANTES do nascimento, e se o seu
estado não constituiria uma existência sob qualquer forma. Não há, pois,
meio-termo: ou a alma existia ou não existia antes do corpo.

Se ela existia, qual era a sua situação ? Tinha ou não tinha consciência de
si mesma ? Se não a tinha era mais ou menos como se não existisse; se tinha, sua
individualidade era progressiva ou estacionaria ? Num e noutro caso, qual a sua
situação ao tomar o corpo? Admitindo, de acordo com a crença vulgar, que a alma
nasce com o corpo, ou o que dá no mesmo, que antes da reencarnação só tinha
faculdades negativas, formulemos as seguintes questões:

  1. Por que a alma revela aptidões tão diversas e independentemente das idéias
    adquiridas pela educação ?
  2. De onde vem a aptidão extranormal de algumas crianças de pouca idade para
    esta ou aquela ciência, enquanto outras permanecem inferiores ou medíocres por
    toda a vida ?
  3. De onde vêm, para uns as idéias inatas ou intuitivas, que não existem para
    outros ?
  4. De onde vêm, para certas crianças, os impulsos precoces de vícios ou
    virtudes, esses sentimentos inatos de dignidade ou de baixeza, que contrastam
    com o meio em que nasceram ?
  5. Por que alguns homens, independentemente da educação, são mais adiantados
    que outros ?
  6. Por que há selvagens e homens civilizados ? Se tomarmos uma criança
    hotentote, de peito, e a educarmos, enviando-a depois aos mais renomados
    liceus, faremos dela um Laplace ou um Newton ?
  7. Por que umas nascem na mais extrema miséria e outras na opulência. Umas
    têm berço de ouro e outras não têm um mísero bercinho para acomodar seu
    corpinho ?
  8. Por que algumas pessoas nascem portando doenças incuráveis (sem ser caso
    de hereditariedade) e sofrem a vida toda, e outras nascem cheias de sa£de e de
    vigor ? Por que morrem crianças em tenra idade e outras vivem muitos anos ?
  9. Por que algumas pessoas nascem sem alguns de seus membros, na cegueira,
    portando numerosas deficiências físicas ?
  10. Por que uns nascem no seio de povos primitivos e em países inóspitos, e
    outros nascem no seio dos povos mais civilizados ?
  11. Por que nascem crianças precoces, no campo da música, da matemática e de
    outros conhecimentos, e outras, apesar de estudarem e se esforçarem a vida
    toda, não conseguem alcançar um nível razoável de conhecimento ?
  12. Por que criaturas más desfrutam de grande prosperidade na vida, e outras,
    bondosas e moralizadas, vivem uma vida cheia de tropeços e de amargores ?

Qual a Filosofia ou a Religião que pode equacionar esses problemas sem
valer-se da lei das vidas sucessivas ou da Reencarnação ?

O Espiritismo tem explicação para todos esses problemas, demonstrando que
essas discrepâncias ocorrem devido, a maior parte das vezes, aos desvios que a
criatura comete, e que exige reajuste perante a justiça do Criador.

Deve-se, pois, reconhecer que a doutrina da pluralidade das existências é a
única a explicar aquilo que, sem ela, é inexplicável; que é altamente
consoladora em conformidade com a justiça mais rigorosa, sendo para o homem a
tábua de salvação que Deus lhe concedeu na sua misericórdia infinita.

Desacreditá-la é, no mínimo, afirmar que Deus é injusto.

logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_uniespirito logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior