Tamanho
do Texto

Transcomunicação

Transcomunicação

Josué de Freitas

Desde as primeiras publicações na imprensa espírita falando da chamada Transcomunicação Instrumental com o mundo invisível, A Voz do Espírito foi o primeiro jornal a publicar matérias mostrando que tais técnicas estavam envolvidas com fantasias e obsessão provocadas por Espíritos inferiores.

Na época, o espírita baiano Clóvis Nunes andou pelo interior do Estado de São Paulo fazendo palestras sobre o tema, induzindo dirigentes e trabalhadores espíritas a ficarem acordados depois da meia-noite, tentando sintonizar aparelhos de rádio com supostas “estações transmissoras” existentes no Além. Por incrível que pareça, encontrou crédulos que seguiram seus conselhos.

Hernani Guimarães Andrade, conhecido como cientista no meio espírita, publicou nos jornais algumas matérias que falavam da chamada “nova ciência”. Um Espírito pseudo-sábio chamado “Técnico”, transmitiu para o famoso casal de Luxemburgo, Jules e Maggy Harsh, os maiores absurdos científicos que, para espanto de todos, eram aceitos com toda naturalidade pelo pesquisador. Uma das utopias ditas pela entidade foi o “aviso” de que se alguém gravasse algum transcontato, ele poderia ser “sugado” para a quarta dimensão. Impressionante, mas o “meio cientista espírita” acolheu a informação com naturalidade e comparou o possível fenômeno com o que acontece no “triângulo das Bermudas”. E todos se entusiasmaram.

A Transcomunicação só despertou algum interesse dos espíritas por causa da realização de dois congressos falando do tema, e pelo estardalhaço que fazia a Folha Espírita, periódico dirigida pela médica Marlene Severino Nobre. Durante anos seu jornal apresentou para todo o Brasil, aquilo que julgava ser uma importante novidade do mundo espiritual. Artigos imensos, assinados por Hernani, falavam de uma nova nomenclatura para os fenômenos da mediunidade, lançando confusão já no confuso Movimento Espírita.

Sônia Rinaldi, também discípula de Hernani e exaltada adepta da TCI, chegou a publicar livros falando do assunto.  Esmerou-se em fazer as pessoas acreditarem que ela recebia telefonemas do Além na própria residência.

A Folha, depois de publicar uma fotografia (chamada pomposamente de “transfoto” ) de um castelo existente na Espiritualidade, viu-se obrigada a manifestar-se publicamente para reconhecer a fraude de que tinha sido vítima. Um leitor desconfiado encontrou uma fotografia do templo de Jain (na Índia), quase idêntica à tal “transfoto”, mostrando que o fenômeno era mesmo uma fraude. Resultado: o jornal resolveu parar de publicar as “novidades” da Transcomunicação.

Recentemente o programa Globo Repórter, da Rede Globo de Televisão, entrevistou um grupo de pesquisadores do Rio de Janeiro que dizia captar sons das “estações” transmissoras do Além. O resultado simplesmente foi catastrófico. Tudo era feito no mais puro empirismo. As “mensagens” resumiam-se em palavras que dependiam de determinadas colocações feitas por locutores de rádios alemãs, sintonizadas propositalmente para produzirem o “fenômeno”.

A equipe da reportagem levou a gravação para os peritos da Unicamp examinarem. Os melhores técnicos do país, usando modernos equipamentos de investigação disseram que não havia nada ali. Tudo dependia da imaginação das pessoas em querer ouvir sons que na verdade não existiam.

Não precisamos falar do prejuízo que isso traz à imagem do Espiritismo.

A Transcomunicação é cercada de teses sem consistência científica. Os fenômenos que envolvem gravação de vozes dos Espíritos são antigos e nada mais significam do que os efeitos físicos a que se referia Allan Kardec. Alguns escritores espíritas e editoras acreditaram numa nova revelação. Houve até quem achasse que ela teria vindo provar à humanidade a existência do Espírito. Livros foram escritos para tentar convencer que a TCI era mesmo  a salvação do planeta.

No I Congresso Internacional de Transcomunicação, realizado em São Paulo, foi possível conhecer os “pesquisadores” do exterior. Na verdade, eles eram alguns aposentados professores, que montavam parafernálias eletrônicas e ficavam a investigar possíveis contatos com o mundo dos Espíritos. Qualquer sussurro de vozes, ou “fantasmas” de transmissões, logo eram tidos como transcontatos.

Quanto indagados sobre os princípios dessas comunicações eles não conseguiam oferecer nenhuma hipótese convincente que pudesse explicar as vozes paranormais. Para eles as comunicações ocorriam ao acaso. Não havia aparelho específico. Poderia ser um rádio, um gravador, uma velha TV ou qualquer coisa onde na verdade os Espíritos pudessem interferir com efeitos físicos. Cientificamente nada disso tinha valor, mas as pessoas envolvidas continuavam fascinadas pela idéia de que iriam transformar a humanidade.

O que as idéias não conseguiram fazer iria ser feito pelos aparelhos. Sim, Deus iria salvar a humanidade usando a matéria. Idéia absurda, mas ninguém se importava com isso.

Os congressos de Transcomunicação fracassaram doutrinariamente. Fizeram muito barulho para nenhum resultado palpável. E, é bem possível, que não se encontre mais grupos dispostos a promover tais eventos.

Na verdade ainda não existem mensagens vindas por esses meios que mereçam crédito. Ao contrário, muitas coisas que as entidades ligadas à TCI escrevem mostram estreiteza de visão dos “técnicos” do lado de lá e obsessão e fascinação daqueles que estão do lado de cá.

A Transcomunicação é uma doutrina inócua quando pretende colocar uma máquina entre o homem e Deus. Normalmente, para se conseguir boas comunicações com os Espíritos, as pessoas têm de esforçar-se na prática do Bem e no automelhoramento. Se insistirem na Caridade, conseguirão a simpatia dos bons Espíritos que virão comunicar-se com elas. Na TCI nada disso é necessário. Basta sintonizar com as tais “estações” existentes no plano invisível, sem qualquer esforço nessa área.

Dizem que na TCI só existem Espíritos bons. Os inferiores não podem entrar nas “estações”. Isso é um absurdo doutrinário, mas parece os adeptos desse mundo de ilusões não o percebe.

O Espiritismo é uma doutrina essencialmente moral. É a integração da consciência do homem à Consciência Divina.

O espírita não necessita de acessórios para contactar com o mundo dos Espíritos, conforme nos ensina Allan Kardec, pois tem seu próprio pensamento. As mesas girantes tiveram seu papel no início do Espiritismo e não tem qualquer sentido querer retornar ao passado, mesmo que seja numa versão eletrônica. Teorias esdrúxulas como a TCI só encontram espaço no meio espírita porque ele está enfraquecido, improdutivo, sem novidades. É isso que precisa mudar.

Os dirigentes espíritas possuem as melhores máquinas de contato com o mundo invisível: são os médiuns. O laboratório de pesquisas da casa espírita é sua sala de atividades mediúnicas. Deixemos de lado as fábulas e as fantasias criadas pelos Espíritos enganadores e sigamos conforme nos orienta o Codificador do Espiritismo.

(Jornal A Voz do Espírito Edição 90: Março – Abril de 1998)

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior