Tamanho
do Texto

Visão Dinâmica da Reencarnação

Visão Dinâmica da Reencarnação

O conceito anterior, a respeito do qual o processo da reencarnação do ser
objectiva expungir os males praticados, pagar os erros cometidos, ressarcir as
dívidas pretéritas, cede hoje lugar a uma visão mais dinâmica e menos punitiva
desse recurso indispensável à evolução.

A dor é mecanismo natural do fenómeno da vida e não apenas imposição
rectificadora.

Certamente, em muitos casos, torna-se pedagoga e terapeuta para ocorrências e
pessoas, conclamando estas últimas à reflexão, ao amadurecimento, à correcção e
ao aprimoramento dos actos.

Nem sempre, porém, é resultado dos erros passados, mas também o é dos
sucessos naturais da escalada evolutiva.

O amor, sim, é lei da vida, trabalhando o indivíduo para o desdobramento e
consciencialização dos valores que nele jazem em germe.

A reencarnação é impositivo do progresso, que faculta o crescimento do
espírito, propiciando-lhe a identificação e a assimilação dos relevantes
objectivos a que está destinado.

Através dela, quando equivocado, se recupera; quando em indisciplina, se
reeduca; quando em deficiência, se aprimora, adquirindo sempre experiências
novas, que incorpora ao íntimo património de natureza intelecto-moral.

O resgate dos erros e dos crimes cometidos, dá-se não apenas mediante o
sofrimento, mas igualmente através de realizações edificantes, dignificadoras
que o amor proporciona.

Graças à reencarnação, o espírito calceta desperta para a realidade da sua
vida imortal e termina por compreender a grandeza do ensejo que lhe é facultado,
aprendendo que as realizações positivas possuem os recursos para diminuir-lhe a
carga perniciosa das realizações infelizes, que lhe pesam na economia da
evolução moral.

Face ao arrependimento, quando alguém se consciencializa do mal que praticou,
predispõe-se à expiação do delito, isto é, ao inevitável sofrimento dele
decorrente, assim encorajando-se para a reparação.

Essa reparação não se restringe apenas à área do erro, ou da pessoa a quem se
haja prejudicado (…).

Dessa forma, à medida que o ser se eleva, menos penosa se lhe torna a marcha,
por compreender o significado da oportunidade do renascimento na carne,
ampliando-lhe o elenco das actividades dignificadoras, que lhe facultam melhores
disposições para o avanço, para o crescimento ilimitado.

Os impositivos da dor-resgate ocorrem nas faixas mais primárias da evolução,
da consciencialização pela falta de sensibilidade do ser para aperceber-se das
vantagens do bem, enquanto transita nas experiências mais automatistas.

Assim, a fatalidade do sofrimento na Terra cede espaço para uma visão nova da
Justiça Divina, que proporciona a descoberta dos tesouros do bem ao alcance de
todos quantos se resolvem pela mudança de atitude, transferindo-se dos impulsos
da violência, do orgulho, do amor-próprio, para as bênçãos da pacificação, da
humildade, da solidariedade, do bem que podem fazer.

A cada instante, dessa forma, modifica-se o destino, altera-se a rota
evolutiva, ameniza-se a aspereza da marcha, alargando-se a paisagem da
auto-iluminação.

A criatura não mais se sente infeliz, graças à alegria pessoal de ser útil;
não mais se apresenta solitária, em razão de ser solidária; não mais se insurge
contra as provocações, por saber valorizá-las em favor da renovação do
entendimento; não mais se molesta com os problemas, pois dispõe dos meios para
solucioná-los, predispondo-se a fazê-lo imediatamente…

Cada hora constitui-lhe precioso investimento que passa a aproveitar com
sabedoria, e não pára a relacionar dificuldades porque reconhece que ao
superá-las experimentará os impulsos que o promovem a patamares mais altos na
escalada ascencional.

A reencarnação, embora portadora de objectivos de depuração, é, também, meio
saudável de conquista da beleza, da saúde, da plenitude.

Graças a ela, nada se perde, quando útil e providencial, assim anulando as
acções perturbadoras e fazendo cessar os seus efeitos danosos, onde se demorem.

Propicia a luz da reparação que dissipa todas as sombras da mágoa, da
rejeição e do ódio.

A dor, assim colocada, igualmente constitui lição, que alguns espíritos
elegem, a fim de ensinarem àqueles portadores de menores resistências como
comportar-se, quando incursos nos seus estatutos providenciais.

Tais foram os exemplos de muitos espíritos nobres como Sócrates, Estêvão,
Francisco de Assis, Teresa d’Ávila entre outros, e, sobretudo, Jesus, o ser mais
perfeito que jamais transitou na Terra, nosso modelo ideal e guia seguro.

Página psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco, em 7 de Agosto de
1995, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador-Bahia, Brasil.

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior