Tamanho
do Texto

Visão Espírita da Sexualidade

Para se falar em relação sexual e energia procriadora, faz-se necessário
mencionar algumas das informações trazidas até nós pelo Espírito ANDRÉ LUIZ,
sobre as funções da Epífise.
Ela reativa as forças criadoras no ser humano aos 14 anos aproximadamente.
Permanece no período do desenvolvimento infantil em fase de reajustamento,
absorvendo novos ensinamentos e reflexos que são ministrados nesta fase da vida,
que farão frente ou somar-se-ão às colheitas das vidas passadas, que
ressurgirão, de acordo com a vontade, sob fortes impulsos.

Por este motivo é denominada a glândula da vida Espiritual.

A Epífise funciona como uma usina, fonte geradora de elementos psíquicos ou
“UNIDADES FORÇA” necessárias a fecundação das diversas formas da criação.
Podendo ser direcionada para fecundação dos mais nobres valores da divindade ou
utilizada para a orgia dos prazeres das criaturas terrestres.

1.2 – SEXO E AMOR

Palavras sublimes, tão vulgarmente pronunciadas por mentes insanas, nos meios
atuais. O sexo não é patrimônio exclusivo da humanidade terrestre, é tesouro
Divino em todos os mundos no Universo infinito. Permanece nas mãos das criaturas
humanas, que ainda estão distantes da compreensão e vivência das Leis Divinas,
num quadro triste de ignorância, perversão e desequilíbrio. O sexo na existência
humana, pode ser um dos instrumentos do amor, sem que o amor seja sexo.

O instinto sexual é força poderosa de atração, unindo os corpos físicos,
reencontrando as almas, para resgates de débitos, dirigindo os homens para
conquistas e objetivos da Lei Suprema: O AMOR, A FELICIDADE E A HARMONIA. Mesmo
com a pobreza de valores íntimos, caminha o homem, embora lentamente, para o
objetivo maior do Criador que é o progresso e a perfeição. Não podemos confundir
sexo e amor, pois, enquanto o sexo é força instintiva o inconsciente, o amor é
energia consciente e espontânea.

O homem em experiências afetivas, costuma confundir energia instintiva sexual
como sendo “AMOR”, que tem promovido quase todas as uniões de homens e mulheres
na terra.
Observamos, constantemente, muitos lares desabados, porque só tinha energia
instintiva sexual e nenhum “AMOR”. O amor na terra é ainda uma aspiração da
eternidade, encravada no egoísmo, nos interesses, na ilusão e na fome de
prazeres que fantasiamos como sendo a Celeste Virtude. Desejo e sentimento de
posse não significa “AMOR”.

Faz-se necessário para um bom relacionamento, buscarmos o que nos ensina O
EVANGELHO DE JESUS CRISTO, que “Devemos amar sem nos preocupar em sermos
amados”.
Para alcançarmos o amor sublime, devemos cultivar a semente da humildade, da
bondade, da paciência, do perdão, da tolerância, da indulgência, da ternura, da
delicadeza, da renúncia e do entendimento.

Sem os tesouros da fé sincera, essas plantas Divinas não germinarão no
canteiro do coração. Antes do tempo, sucumbirão, alastrando a desarmonia, a
delinqüência e os crimes, isto sem falarmos na ampliação dos débitos e na
adiamento dos resgates anteriores para reencarnações futuras, quase sempre
acrescidas de dores e sofrimentos para o nosso bem.

1.3 – SEXO – EXCESSOS E ABUSOS

O sexo tem sido tão aviltado pela maioria dos homens reencarnados na crosta,
que o que observamos na atualidade é a inversão dos valores Sublimes da Criação
Divina, transformado em rolo compressor para os interesses da indústria do sexo.
É no momento a utilidade mais divulgada e a mais procurada em nossos dias. O
interesse é despertar tanto no homem como na mulher a sensualidade, não se
importando com os danos que isto certamente vai causar.

a) O que interessa são os lucros a se arrecadar, ao invés de cultivarmos os
valores morais sublimes que ainda não conseguimos enxergar.

b) A relação sexual entre a maioria dos homens e mulheres terrestres, se
aproxima demasiadamente das manifestações dessa natureza entre os irracionais,
sem nenhuma obediência às Leis Divinas.

c) Neste plano de baixas vibrações onde predomina ainda a semi-brutalidade,
muitas inteligências admiráveis preferem demorar em baixas correntes evolutivas.

d) A união sexual entre criaturas que já atingiram grandes elevações é muito
diferente, traduz a permuta sublime de energias perispirituais, simbolizando o
alimento Divino para a inteligência e para o coração e, força criadora não
somente de filhos carnais, mas também de obras e realizações generosas da alma
para a vida eterna. Lembra-nos ANDRÉ LUIZ, que se refere ao objetivo Santo da
Criação e não apenas ao trabalho procriador. A procriação é um serviço que pode
ser realizado por aquele que ama, sem ser o objetivo exclusivo das uniões.

O Espírito que odeia ou que cultive os valores contrários à Lei de Deus, não
pode criar vida superior em parte alguma.
É lamentável que o homem tenha menosprezado tanto as faculdades criadoras do
sexo, desviando-as para os vértices de prazeres infinitos, no desejo incontido
de auto satisfazer-se até a prestação das próprias forças, porém todos pagarão
pelas faltas que cometerem ao altar Santificado.

Todo ato criador está repleto de sagrados valores da Divindade e são estes
valores tão abençoados que por interesse de mentes enfermiças, conduzem
impreterivelmente para o abuso e orgias de prazeres.
Assim, homens e mulheres raciocinando numa atmosfera mental caótica, permitem
aos obsessores do invisível colocar em prática seus interesses na desintegração
familiar e social, bem como, retardar o progresso Espiritual, mantendo a grande
maioria das criaturas, que se afinam com seus ideais, sob controle e, com isto,
preservam os meios para saciar os seus desejos que não foram corrigidos enquanto
encarnado.
Como ninguém foge aos imperativos da Lei de Deus, esses seres, que causaram
desvario sexual, resgatarão em reencarnações futuras à duras penas, podendo ser
portadores de doenças eminentemente cármicas, a epilepsia, a lepra, a paranóia,
a hidrocefalia, o mongolismo e outras moléstias, como também ter como obsessores
vários dos que foram prejudicados em caminhadas anteriores.

1.4 – PROSTITUIÇÃO

Igual ocorre a outros maior de prova e expiação das criaturas que habitam a
terra, está destinada também a desaparecer na proporção que ocorra o progresso
moral e, a humanidade colocar como base os ensinamentos que o Mestre ensinou –
“Que não devemos desejar ao próximo o que não queremos para nós”. Na
Evangelização está a cura das doenças que todos, indistintamente, ajudamos a
proliferar.
Até hoje muitos de nós que acusamos a leviandade e a queda dos valores morais,
esquecemos de que não havendo cliente não há transação e que o mal só se acabará
quando não houver mais quem o alimente. Assim, todos que direta ou indiretamente
alimentar a “Máquina do Sexo”, seja no relacionamento íntimo remunerado, na
procura de artigos promíscuos para saciar instintos inferiores ou na omissão de
pensamentos e vibrações dessa natureza estamos contribuindo para o caos que se
avizinha.
Com base nos ensinamentos Espíritas e de acordo com o que exemplificou o Amado
Mestre Jesus, todos temos menor ou maior parcela de culpa no que estamos vendo,
portanto devemos amparar nossos irmãos ou irmãs dos prostíbulos ou mercadores de
tão sublime Santuário Divino, que deveria ser utilizado para o progresso das
criaturas.

1.5 – ADULTÉRIO

Não podemos apoiar tais faltas, pois o próprio Jesus, após livrar a mulher
adultera, prestes a ser apedrejada, devido aos preceitos da época, pediu-lhe que
fosse e não pecasse mais.
O ser humano caminha a passos lentos da poligamia para a monogamia, cada homem e
cada mulher com maior ou menor anseio sexual, expressando por necessidade de
apoio afetivo vem de experiência em experiência, errando e acertando e tornando
a errar para acertar com mais segurança até conseguirmos, como filhos de Deus,
em evolução na terra, equilíbrio das energias, distribuindo-as para as mais
nobres tarefas do amor universal. Com base nos ensinamentos de Cristo, onde
mandou os Fariseus enfurecidos que atirassem a primeira pedra quem não tivesse
pecado, mostrou-nos que ninguém está isento, nos cardumes da existências aos
chamados erros do amor. Se não bastasse os erros de outras existências, quem não
teve nesta reencarnação um problema nos transes do coração. Veremos então que
adúlteros todos somos, e por isso, temos que ser indulgentes para com todos que
caíram nas teias, que contribuímos durante os séculos e, continuamos
contribuindo com atos e pensamentos invigilantes, onde formamos atmosfera
psíquica necessária para deslizes dos nossos irmãos.

1.6 – HOMOSSEXUALISMO

Levando tal comportamento para além das bases materialistas da grande massa
heterossexual existente sobre a terra e seus preconceitos moralistas em bases
hipócritas, à luz da reencarnação é perfeitamente compreensível. Com o
desenvolvimento da humanidade cresce a quantidade de irmãos, homens e mulheres,
somando extensas comunidades em todos os países, clamando por respeito, atenção
e igualdade como criaturas humanas.

O Espírito em suas várias encarnações através dos tempos e, confirmando que
todos são iguais perante Deus, poderá usar a vestimenta carnal que se fizer
necessária, ora masculina ora feminina, o que sedimenta o fenômeno da
bissexualidade mais ou menos pronunciada em quase todas as criaturas. Desta
forma, a individualidade em Trânsito da experiência feminina para a masculina,
demonstrará fatalmente traços do sexo que estagiou por muitos séculos.
Claramente compreensível que o Espírito, atendendo aos impositivos
regenerativos, poderá reencarnar com um corpo diferente do que não correspondeu
perante as aspirações divinas. O homem que abusou das faculdades genésicas
arruinando a existência de outras pessoas, com a destruição de uniões
construtivas, é forçado a buscar nova posição no renascimento físico, em corpo
morfologicamente oposto, aprendendo em regime de prisão, à reajustar os próprios
sentidos. Poderá também Espíritos cultos e sensíveis, sequidos de realizar
tarefas específicas para a elevação de grupos humanos e conseqüentemente
elevar-se também, rogar dos Benfeitores da vida maior que os assistem à
utilização de vestimenta corpórea oposta à estrutura psicológica pela qual
transitoriamente se definem, protegendo-se desta forma dos arrastamentos
irreversíveis no mundo afetivo e terem maiores êxitos nos objetivos almejados.

Observando as tendências homossexuais dos companheiros que estão a caminho no
campo de provas e expiações é forçoso que lhes dê o amparo educativo e muito
amor.

1.7 – DOENÇAS VENÉREAS

A promiscuidade que os seres humanos cultivam desde os tempos mais remotos e
que chega ao cume nos tempos atuais, onde o que impera é a satisfação
descontrolada dos instintos sexuais, a níveis tão deploráveis que as pessoas
passaram a ser encaradas como material de consumo, perdendo até mesmo a
dignidade própria.

Com isso, assistimos com o passar dos tempos o aumento das doenças
sexualmente transmissíveis, que quase sempre deixam seqüelas na saúde da
sociedade, crianças nascendo com graves problemas de saúde, pessoas idosas
pagando os seus erros de quando jovens e assim chegamos pelo acúmulo dos nossos
erros, não pela vontade de Deus, mas pelo abuso dos homens, ao mal do século,
que a medicina definiu como “AIDS”. Mas como Deus é infinitamente bondoso e
justo, não interferindo em nosso livre arbítrio, permite que erremos, para que
quando emergirmos do erro, tenhamos aprendido a não mais errar.

O mais doloroso de tudo isto é a morosidade do homem acordar e ver a
realidade. Ao invés de expor a ferramenta de Deus lhe concedeu para o progresso
do Espírito, sem nenhum remorso, ele, em muitos casos leva ao desastre, também,
seus próprios filhos e esposa.
A AIDS é o efeito e não a causa e, daí, somos obrigados a admitir que o mal do
século não é a AIDS e sim o descontrole sexual que chegou, devido ao mais
elevado nível da degradação moral. Como o homem, em sua grande maioria, só
acorda pela dor, estamos assistindo diariamente o ceifamento de milhares de
vidas. O remédio existe, basta que a humanidade troque promiscuidade por
responsabilidade e amor próprio. O Mestre Amado Jesus veio a quase 2.000 anos,
plantou a semente e, em pouquíssimos solos ela pode germinar. Na maioria dos
seres, ela se encontra encravada necessitando de ser regada, pela menos com uma
porção mínima das virtudes que o Divino Mestre nos ensinou. Muitos preferem
continuar no erro, fingindo desconhecer as Leis do progresso do ser eterno, pela
qual, o Criador espera que todos os seus filhos tenham êxito.

A educação sexual que é levada através do meios de comunicação no combate à
AIDS, não ataca diretamente a causa, devido aos interesses comerciais que não
permitem uma ação mais eficaz. Ao invés de oferecer preservativos, para evitar a
contaminação, deveria ser ministrado um pouco de Evangelização, pois este seria
o remédio para curar os males que nós mesmos causamos em nossas múltiplas
reencarnações.

Informativo AMPARE, Edição de Fevereiro. Copyrights ©
1995-97, Informativo AMPARE.

Comentários

logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_uniespirito logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior