Tamanho
do Texto

Curso de Introdução ao Espiritismo Centre Spirite Lyonnais Allan Kardec Parte 8 – O Paraíso e o Inferno

Curso de Introdução ao Espiritismo Centre Spirite Lyonnais Allan Kardec Parte 8 – O Paraíso e o Inferno

Em todas as épocas o homem tem acreditado, por intuição, que a vida futura
deveria ser feliz ou infeliz, em razão do bem ou do mal que se fez aqui em
baixo. Crendo que a Terra é o centro do universo, os Antigos tinham colocado o
Paraíso no Céu e o Inferno sob a terra. Esta idéia, que predominou durante
séculos, tornou-se obsoleta quando a ciência se pôs a observar as profundezas do
espaço e da Terra. Diante desses novos conhecimentos, as crenças tiveram que se
modificar: o céu e o inferno foram deslocados. Onde estão? Diante desta questão,
as religiões permanecem mudas.

O Espiritismo veio esclarecer esta questão nos ensinando que não existem
lugares circunscritos para as almas.

Os Espíritos são criados simples e ignorantes, mas com a aptidão de tudo
adquirir e de progredir, em virtude de seu livre arbítrio. Pelo progresso, eles
adquirem novos conhecimentos, novas faculdades, novas percepções e, por
conseguinte, novos gozos desconhecidos dos Espíritos inferiores; eles vêem,
entendem, sentem e compreendem o que os Espíritos atrasados não podem ver, nem
entender, nem sentir, nem compreender. A felicidade está na razão do
progresso realizado; de sorte que, de dois Espíritos, um pode não ser tão feliz
quanto o outro unicamente porque não é tão avançado intelectual e moralmente,
sem que tenham necessidade de estar em lugares distintos
. Ainda que estejam
ao lado um do outro, um pode estar nas trevas, enquanto que tudo resplandece ao
redor do outro, absolutamente como um cego e um vidente de mãos dadas; um
percebe a luz, que não causa nenhuma impressão sobre seu vizinho. A
felicidade dos Espíritos, sendo inerente às qualidades que possuem, são por eles
absorvida em toda parte onde a encontram, na superfície da Terra, no meio dos
encarnados ou no espaço
.

Uma comparação vulgar permitirá compreender ainda melhor esta situação. Se,
em um concerto se encontrarem dois homens, um bom músico, de ouvido exercitado,
o outro sem conhecimento de música e com sentido da audição pouco desenvolvido,
o primeiro experimentará uma sensação de felicidade, enquanto que o segundo
ficará insensível, porque um compreende e percebe o que não causa nenhuma
impressão sobre o outro. Assim são todos os gozos dos Espíritos, que estão na
razão da sua aptidão em senti-los. O mundo espiritual tem esplendores por
toda parte, harmonias e sensações que os Espíritos inferiores, ainda submetidos
à influência da matéria, sequer entrevêem, e que são acessíveis apenas aos
Espíritos depurados
.

O espírito adiantado está liberto de todas as necessidades corporais. A
alimentação e o sono não têm para ele nenhuma razão de ser. Ele deixa para
sempre, ao sair da Terra, as vãs inquietações, os sobressaltos e todas as
quimeras que envenenam a existência aqui em baixo. Os espíritos inferiores levam
com eles, para o lado de lá do túmulo, seus hábitos, suas necessidades e suas
preocupações materiais. Não podendo se elevar acima da atmosfera terrestre, eles
voltam para compartilhar da vida dos humanos, misturar-se em suas lutas, em seus
trabalhos e em seus prazeres. Suas paixões e seus apetites, sempre despertos,
superexcitados pelo contínuo contacto da humanidade, os sobrecarregam, e a
impossibilidade de os satisfazer torna-se para eles uma causa de torturas.

O espírito puro leva com ele sua luz e sua felicidade; elas o seguem por toda
parte; fazem parte integrante de seu ser. Da mesma forma, o espírito culpado
arrasta com ele sua noite, seu castigo, seu opróbrio. Os sofrimentos das almas
perversas não são menos vivos por não serem materiais. O inferno não é senão um
lugar quimérico, um produto da imaginação, um espantalho, necessário talvez,
para ser imposto às pessoas infantis, mas que nada tem de real.

Pode-se ler em O Livro dos Espíritos, a propósito da eternidade das
penas:

«Interroguem seu bom senso, sua razão, e perguntem se uma condenação perpétua
por alguns momentos de erro não seria a negação da bondade de Deus? Que é, com
efeito, a duração da vida, fosse ela de cem anos, com relação à eternidade?
Eternidade! Compreendem bem essa palavra? Sofrimentos, torturas sem fim, sem
esperança, por algumas faltas! Seu julgamento não recusa um tal pensamento? Que
os antigos tivessem visto no mestre do universo um Deus terrível, ciumento e
vingativo, se concebe; na sua ignorância, emprestaram à divindade as paixões dos
homens; mas esse não é o Deus dos cristãos, que coloca o amor, a caridade, a
misericórdia, o esquecimento das ofensas na categoria das primeiras virtudes:
poderia Ele mesmo falhar nas qualidades das quais fez um dever? Não há
contradição em lhe atribuir a bondade infinita e a vingança infinita? Vocês
dizem que antes de tudo Ele é justo, e que o homem não compreende sua justiça;
mas a justiça não exclui a bondade, e Ele não seria bom se consagrasse a penas
horríveis e perpétuas, a maior parte de suas criaturas. Poderia Ele impor aos
seus filhos a justiça como uma obrigação, se não lhes tivesse dado os meios de a
compreender? Além disso, não é uma sublime justiça, unida à bondade, fazer
depender dos esforços do culpado para se melhorar a duração das penas? Aí está a
verdade destas palavras: «A cada um segundo as suas obras».

«Deus não criou os seres para que fossem devotados ao mal perpetuamente;
apenas os criou simples e ignorantes, devendo todos progredir, em um tempo mais
ou menos longo, conforme sua vontade. A vontade pode ser mais ou menos tardia,
como há crianças mais ou menos precoces, mas ela vem, cedo ou tarde, pela
irresistível necessidade que experimenta o Espírito de sair de sua inferioridade
e de ser feliz. A lei que rege a duração das penas é então eminentemente sábia e
benevolente, pois que subordina esta duração aos esforços do Espírito».

Chega enfim um dia em que o espírito, após haver percorrido o ciclo de suas
existências planetárias e ser purificado por seus renascimentos e suas migrações
através os mundos, vê cerrar a série de suas encarnações e se abrir a vida
espiritual definitiva, a verdadeira vida da alma, onde o mal, a sombra e o erro
estão banidos. Então, as últimas influências materiais se esvaneceram. A calma,
a serenidade e a segurança profunda substituíram as aflições e as inquietudes de
outrora. A alma atingiu o termo de suas provas; está assegurada de não mais
sofrer. Com que sentimento emocionado rememora os fatos de sua vida, esparsos na
sucessão dos tempos, sua longa ascensão, a lenta conquista de seus méritos! Que
ensinamento nesta marcha ininterrupta, ao curso da qual se constitui e se afirma
a unidade de sua natureza, de sua personalidade imortal!

Da lembrança dos longínquos sobressaltos, dos cuidados, das dores, ela se
reporta às felicidades do presente e as saboreia com delícia. Que embriaguez
sentir-se viver no meio de espíritos esclarecidos, pacientes e doces; unir-se a
eles pelos laços de uma afeição que nada perturba; compartilhar suas aspirações,
suas ocupações, seus gostos; saber-se compreendida, sustentada, amada, desligada
das necessidades e da morte, jovem de uma juventude que os séculos não mais
tomam! Depois, estudar, admirar, glorificar a obra infinita, penetrar mais
profundamente os divinos mistérios; reconhecer por toda parte a justiça, a
beleza e a bondade celeste, identificar-se com elas, dessedentar-se, nutrir-se;
seguir os gênios superiores em suas tarefas e missões; compreender que
chegaremos a igualá-los, que subiremos ainda mais alto, que sempre, sempre,
novas alegrias, novos trabalhos, novos progressos nos esperam: tal é a vida
eterna, magnífica, transbordante, a vida do espírito purificado pelo sofrimento.

Vale a pena anotar:

  • O paraíso e o inferno não existem em lugares circunscritos: eles
    representam o estado de consciência do Espírito segundo o bem ou o mal que
    realizou.
  • Nenhuma pena é eterna. Não depende senão da vontade do Espírito melhorar
    sua condição.

Para saber mais:

  • O Livro dos Espíritos de Allan Kardec (4ª parte, cap. II, Penas
    e gozos futuros
    )
  • O Céu e o Inferno de Allan Kardec (1ª parte, cap. III, O céu)
  • O Céu e o Inferno de Allan Kardec (1ª parte, cap. IV, O inferno)
  • O Céu e o Inferno de Allan Kardec (1ª parte, cap. VI, Doutrina
    das penas eternas
    )
  • O Céu e o Inferno de Allan Kardec (1ª parte, cap. VII, As penas
    futuras segundo o Espiritismo
    )
  • Após a morte de Léon Denis (4ª parte, cap. XXXIII, A vida no
    espaço
    )
  • Após a morte de Léon Denis (4ª parte, cap. XXXIV, Erraticidade)
  • Após a morte de Léon Denis (4ª parte, cap. XXXV, A vida superior)
  • Após a morte de Léon Denis (4ª parte, cap. XXXVII, O inferno e
    os demônios
    )

 

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior