Tamanho
do Texto

Reciclagem Mediúnica

Reciclagem Mediúnica

Conforme o tema, visa esta série, retomar conceitos, atualizá-los
pedagogicamente buscando maior amplitude do trabalho e melhores resultados.

Trabalharemos pontos básicos da Mediunidade objetivando recordar:

  1. conceito e função.
  2. como receber e atender aqueles que buscam a casa espírita com a
    sensibilidade exacerbada ou se mostrem interessados na educação da faculdade.
  3. a prática mediúnica.

a-1) Conceito e função – Mediunidade é uma faculdade, isto é, uma
capacidade, aptidão inata, disposição, tendência humana natural pela qual se
estabelecem as relações entre Espíritos encarnados e desencarnados. Não é um
poder oculto que se possa fazer instalar num indivíduo através de práticas
rituais ou pelo “poder misterioso” de quem quer que seja. Pertence ao campo
da comunicação
e portanto destina-se ao ato de emitir, transmitir, receber
mensagens por meio de processos convencionais, que através da linguagem falada
ou escrita, quer de outros sinais, símbolos ou aparelhamentos técnicos
especializados sonoro ou visual. Desenvolve-se, naturalmente, no sentido de
aumentar, ampliar, progredir, melhorar, crescer, nas pessoas de maior
sensibilidade para a captação mental e sensorial de coisas e fatos do mundo
espiritual que nos cercam e nos afetam com suas vibrações psíquicas e afetivas.
Da mesma forma que a inteligência e as demais faculdades humanas, desenvolve-se
no processo de relação; quanto mais se estuda, conhece e usa, mais amplitude e
sutileza. Esse processo é cíclico ou seja, processa-se por etapas sucessivas em
espiral progressiva. O mesmo não se dá com o seu uso, que pode ser bom ou mau,
conforme as qualidades (valores morais) daquele que a exerce.

a-2) Aspectos pelos quais se exterioriza – A Mediunidade é uma só e um
todo (como faculdade), mas pode ser encarada em seus vários aspectos funcionais
(de uso, serventia) e que são caracterizados como formas variadas de sua
manifestação.

Para efeito metodológico, Kardec a divide em duas grandes áreas bem
diferenciadas:

  • mediunidade de efeitos físicos
  • mediunidade de efeitos inteligentes

 

Efeitos físicos – aquelas que se traduzem por efeitos sensíveis tais
como: ruídos, movimentos, deslocação de corpos sólidos. Para que aconteça,
faz-se mister a intervenção de uma ou mais pessoas dotadas de especial aptidão,
onde por efeito de suas organizações, há emanação maior de fluido animalizado,
mais ou menos fácil de combinação com o fluido universal, e com os quais o
Espírito, por ação da vontade, dá vida momentânea a determinados objetos
produzindo assim fenômeno.

 

Efeitos inteligentes – para ser caracterizado como tal, há que
exteriorizar-se como um ato livre e voluntário, exprimindo uma intuição
ou respondendo a um pensamento.

Recorde-se que não encontraremos um fenômeno a ser catalogado apenas como
efeito físico ou inteligente. No caso, por exemplo, das mesas girantes (ponto
inicial da Doutrina Espírita) vimo-la mover-se, levantar, dar pancadas,
responder questões propostas, sob a influência de um ou mais médiuns – efeito
físico. Demonstravam, porém, uma intuição – efeito inteligente – ao mudar de
lugar, ao se erguer alternadamente sob um pé ou outro, conforme se lhe
indicavam; ao responder perguntas conforme o número de toques combinados, ao
executar movimentos conforme se lhe ordenavam. Ao realizar tais aspectos
demonstrava haver uma inteligência oculta que demonstrava sua vontade ou
respondia a uma ordem ou pensamento exteriorizados nos fatos ostensivos.

Essas duas áreas, esses dois aspectos pelos quais se exteriorizava a
Mediunidade, fez Kardec perceber que ele a estudava de forma geral, englobando
todos os casos ou pessoas.

Percebe ele que a realidade era outra, uma vez que havia elementos que
espontaneamente ou não forneciam fluidos, enquanto outros pouco ou nada
ofereciam no sentido de não possibilitar a realização dos acontecimentos. Havia
pessoas que exteriorizavam o sentir, o pensar de outras mentes enquanto outras
nada percebiam.

Estudando, pesquisando, auxiliado pelos Espíritos na Codificação, encontra
nessa divisão fenomênica, duas grandes áreas de função, isto é, duas
formas ou modos naturais de uso, serventia, utilidade e as designa como:

  • mediunidade generalizada
  • mediunato

A primeira – mediunidade generalizada – corresponde à mediunidade natural,
mediunidade que todos possuem e que permanece pelo próprio desconhecimento em
estado de estagnação, inércia, como manifestações moderadas, quase
imperceptíveis.

A segunda – mediunato – corresponde o compromisso, ou seja, o indivíduo está
investido espiritualmente de sensibilidade maior para finalidades específicas na
encarnação. É a mediunidade ativa que exige desenvolvimento e aplicação durante
a vida do médium.

a-3 e 4) Importância desse conhecimento para o dirigente da Casa Espírita
e/ou responsável pelos trabalhos mediúnicos

 

A falta desse conhecimento acarreta dificuldades e inconvenientes na prática
mediúnica, particularmente nos trabalhos do Centro.

Mediunidade generalizada é uma disposição natural do Espírito para
expandir-se, projetar-se e entrar e/ou manter-se em relação com outros
Espíritos. Funcionando a mente como núcleo emissor/receptor de pensamentos
mantendo-nos sempre em conversas, mesmo sem o perceber. Muitos dos nossos
aparentes monólogos são diálogos com outras mentes, verdadeira “inquirições
mentais”, seja com o fim de avaliar-nos espiritualmente ou para fins obsessivos.
Um Espírito, por exemplo, sugere mentalmente o nome ou a figura de uma pessoa.
Começamos a pensar nela e a desfilar na mente os dados, que temos, as idéias que
fazemos dela, ajudando ao obsessor que evidentemente tem seus objetivos. De
outras vezes, pretendendo saber qual é nossa posição em determinado
caso/acontecimento, oferecemo-lhe idéias, franqueando-lhe nossos pontos fracos
através dos quais passa ele a envolver-nos no desencadear de verdadeiro processo
obsessivo. Os pensamentos, os solilóquios do homem, são observados por
testemunhas invisíveis, boas ou más que influenciam ou são influenciadas numa
proporção maior ou menor dependendo também do nível de conscientização desse
processo. Essa mediunidade é imanente ao nosso psiquismo.

Pelo desconhecimento dessa mecânica natural, muitas pessoas mantém pela
alimentação recíproca dos pensamentos afins, mentes que passam a se impor.
Perturbadas, com toda a aparência de obsediadas, chegam à Casa Espírita buscando
ajuda. De modo geral, são consideradas “médiuns em desenvolvimento”, quando na
realidade são apenas vítimas da própria invigilância que mantém a companhia de
Espíritos em desequilíbrio em campo psíquico afim. Por esse e outros motivos,
realmente estão envolvidos em processos obsessivos, mas não são médiuns.
Precisam de tratamento (conscientização, renovação, etc., etc.) evangelização,
entendimento do funcionamento/função do campo mental, passes, água fluída,
trabalho pessoal, somatória de providências através das quais opera-se na
dinamização da vontade a mudança do campo mental, onde selecionando-se
companhias, liberam-se obsessores/obsediados.

Essas pessoas não são aptas, não devem ser convidadas a participar de sessões
“sentar-se à mesa”- não estão investidas de mediunato, não precisam, nem podem
desenvolver (fazer crescer para intercambiar) sua mediunidade estática. Essa
servir-lhe-á para que o indivíduo se guie na vida de forma plena através desse
contacto natural, pela seleção que aprende a fazer das companhias que escolhe. A
obsessão ocasional, por sua vez, serviu-lhe para aproximá-lo de si mesmo,
conhecer seu potencial, aprender a lidar com ele, despertar-lhe ou reanimar-lhe
o sentimento moral e encaminhá-lo assim para um sentido mais elevado em sua
maneira de viver, na busca das sintonias mentais benéficas, diferenciando-as e
afastando as prejudiciais.

Entenda-se pessoas que apresentam essa mediunidade não estão desprovidas de
recursos mediúnicos. Ao contrário, podem ser muito sensíveis, intuitivas,
dispondo de percepções eficazes em inúmeras circunstâncias. Kardec surge como
exemplo – não possuindo mediunato, usa seu potencial seletivo através da
instrução, do discernimento, do bom senso, da análise, reflexão em grau tão
elevado que lhe permitiu solidificar e estruturar a Doutrina em bases seguras, a
vencer hostilidade e investidas.

Os dirigentes de sessão e de Centros Espíritas não podem desconhecer esse
aspecto da função mediúnica, circunstância esta que evitará enganos e problemas
no trato das manifestações mediúnicas.

Bibliografia:

Kardec, Allan – O Livro dos Médiuns, 226 – 1.° e 2.°; cap. II – 60; cap. IV –
72 – VIII – XIII – XIV – cap. III – 65.

Pires, H. – Mediunidade – cap. I e II

(Jornal Verdade e Luz Nº 170 de Março de 2000)

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior