Tamanho
do Texto

Um Desafio: Simplicidade ao Apresentar o Orador Espírita

Nessas andanças por muitos centros espíritas que tive oportunidade de realizar, por conta da tarefa na oratória, encontrei-me com muita gente.

Esses encontros, aliás, uma das alegrias deste trabalho.

Então, conversa, bate papo e interação com amigos espíritas, das mais diversas casas, renderam-me histórias bem interessantes sobre os mais variados temas, como, por exemplo, as apresentações que são realizadas dos oradores espíritas ao público, ou a divulgação de eventos em cartazes e outras formas de publicidade.

Certa vez um amigo, que aqui chamaremos de Cássio, da cidade de Valinhos, (nome e cidade diferentes) confessou-me que esteve em determinado centro espírita para proferir palestra, e quando o chamaram para as devidas apresentações, assim disseram:

Eis aqui o colega Getúlio da cidade de Goiania.

Ele corrigiu a pessoa. Meu nome é Cassio e sou de Valinhos.

Então, aquele que o apresentava, disse:

Eis aqui o colega Godofredo da cidade de Penápolis.

Ele corrigiu de novo.

Meu nome é Cássio e sou de Valinhos. O apresentador, cansado das correções, informou ao público:

Eis aqui esse indivíduo, que não me recordo o nome e a cidade de onde vem, para falar sobre Jesus esta noite.

Cássio, o amigo em questão, relatou-me o episódio e demos muitas gargalhadas.

Mas, se analisarmos de forma racional a atitude do apresentador demonstra falta de consideração e carinho para com o orador.

Negligencia total.

Este descaso na apresentação de Cássio  é, pois, um dos extremos na tarefa de apresentar um orador espírita.

Há o outro extremo, e este digo que acontece com muito mais frequência. E neste extremo, apenas como exemplo cito a conversa que tive com o amigo Gervásio, orador espírita que, certa vez, disse-me ter ficado constrangido tamanha a pompa e circunstância com que envolveram seu nome.

Ao ser apersentado, pouco antes de sua palestra, assim falaram do amigo Gervásio:

– Dr. Gervásio, médico com 4 pós graduações, pesquisador emérito, membro de 22 academias científicas, dono de notável vocabulário, presidente da Associação XXXXXXXXXXXXX, membro diretor do Hospital de XXXXXXX, com mais de 20 livros publicados e 50.000 exemplares vendidos…

Gervásio, constrangido, respirou fundo após as apresentações. Envergonhado, logo iniciou sua fala e até esqueceu de saudar o público.

Este fato que me foi narrado por Gervásio é muito comum no meio espírita.  Seja na divulgação de eventos em cartazes, emails e etc., seja na apresentação do orador ao público há grandes exageros, com enorme foco em seu currículo e pouco enfoque no tema a ser tratado.

Em realidade, pouco interessa ao público os títulos e ocupações do orador. Penso, aliás,  que o mais complicado disso tudo é que gera um distanciamento das pessoas, colocando o orador num patamar inalcansável.

Tudo bem você informar ao público a profissão do orador, pois isto de faz até interessante para abordagem de determinados temas, mas sem afetações.

Definitivamente não é de bom alvitre os exageros.

Ideal é a simplicidade.

E simplicidade vem com o equlíbrio, nem lá, nem cá…

Simplicidade esta que me foi contada por Messias, um outro amigo orador espírita.

Disse-me que a apresentação mais bacana que haviam feito dele foi a seguinte:

Eis aqui Messias, orador da cidade tal, trabalha em tal casa e é um servidor do Cristo.

Pronto, resolvido.

Messias foi lá e, como servidor do Cristo, deu o seu recado.

Sem afetações, bajulações ou apresentação de largo currículo.

Ao público, o mais importante seria a mensagem transmitida por Messias e não seus títulos e ocupações nos palcos do mundo.

Simplicidade, pois, para que fiquemos mais próximos uns dos outros.

Vale pensar neste tema.

 

Wellington Balbo  – Salvador BA

Comentários

logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_uniespirito logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior