Tamanho
do Texto

A Gênese Segundo o Espiritismo (Resumo) – Parte 13

A Gênese Segundo o Espiritismo (Resumo) – Parte 13

Quando ensinava nas sinagogas de sua terra natal, diante do espanto e
incredulidade de seus concidadãos, disse-lhes Jesus: “Um profeta só não é
honrado em sua terra e na sua casa”. Com efeito, tanto os sacerdotes e fariseus
e mesmo seus parentes próximos não o entendiam, tachando-o de louco. Tal fato é
conseqüência das fraquezas humanas, pois, o ciúme e a inveja próprios de seus
“espíritos acanhados e vulgares” criam preconceito que impedem aos homens
reconhecer em alguém de seu próprio meio a superioridade do saber e da
inteligência. Por outro lado, é comum aos homens reconhecerem o valor do “homem
espiritual” somente após sua morte, à medida que “mais longínqua se torna a
lembrança do homem corporal”. “A posteridade é juiz desinteressado no apreciar a
obra do espírito” abstraindo-a da individualidade que a produziu.

Morte e paixão de Jesus – Perseguição aos apóstolos – Cidades impenitentes –
Ruína do Templo e de Jerusalém.

Jesus possuía em alto grau a “faculdade de pressentir as coisas porvindouras”,
que é um dos atributos da alma (teoria da presciência). Através de sua visão
espiritual, previu, assim, as circunstâncias e a época de sua morte, os
acontecimentos seguintes à sua paixão e morte, a ruína do Templo e da cidade de
Jerusalém, “as desgraças que se iam abater sobre seus habitantes e a dispersão
dos judeus”.

Maldição contra os fariseus – Minhas palavras não passarão.

Após dirigir duras palavras aos fariseus e saduceus, sabendo que se
escandalizaram, disse Jesus a seus apóstolos: “Toda planta que meu Pai celestial
não plantou será arrancada. – Deixai-os; são cegos a conduzir cegos; se um cego
guia outro cego, cairão ambos no barranco”. As palavras de Jesus aplicam-se até
nossos tempos, quando ainda algumas seitas cristãs se degladiam disputando a
posse da Verdade e quando outras servem a ambições e interesses materiais. Disse
ainda o Mestre: “O Céu e a Terra passarão, mas as minhas palavras não passarão”.
Passarão as construções com sentido falso às palavras de Jesus; “o que não
passará é o verdadeiro sentido” de suas palavras.

A pedra angular

A doutrina de Jesus tornou-se a “pedra de consolidação do novo edifício da
fé, erguido sobre as ruínas do antigo”, pedra que esmagou os judeus, sacerdotes
e fariseus como também, depois, todos os que “a desconheceram, ou lhe
desfiguraram o sentido em prol de suas ambições”.

Parábola dos vinhateiros homicidas

Nesta parábola “o pai de família é Deus; a vinha que ele plantou é a lei que
estabeleceu; os vinhateiros a quem arrendou a vinha são os homens que devem
ensinar e praticar a lei; os servos que enviou aos arrendatários são os profetas
que estes últimos massacraram; seu filho, enviado por último, é Jesus, a quem
eles igualmente eliminaram”. Constata-se que até nossos tempos o resultado
alcançado pelos responsáveis pela educação religiosa da Humanidade foi a
indiferença e incredulidade “espalhados em todas as classes da sociedade”.
Fizeram do “Deus infinitamente justo, bom e misericordioso” que Cristo revelou,
“um Deus cioso, cruel, vingativo e parcial”. Cultuam “as riquezas, o poder e o
fausto dos príncipes do mundo”. Entretanto, presente em Espírito, “virá pedir
contas aos seus vinhateiros do produto da sua vinha, quando chegar o tempo da
colheita”.

Um só rebanho e um só pastor

Tal declaração de Jesus significa que “os homens um dia se unirão por uma
crença única”. Assim como no aspecto social, político e comercial tendem a cair
as barreiras, havendo já confraternização entre os povos, terão as religiões que
fazer concessões mútuas a fim de atingir a unidade, pois, sendo Deus único, é o
mesmo que todas adoram não importa sob que nome. Para tanto deverão encontrar-se
em um “terreno neutro, se bem que comum a todas”. Sendo mantidos imutáveis seus
dogmas, a iniciativa deverá partir do indivíduo. Para congregar todos os homens
em uma mesma religião, esta deverá: satisfazer a razão, “às legítimas aspirações
do coração e do espírito”, ser confirmada pela ciência positiva, acompanhar o
progresso da humanidade, não seja exclusivista, intolerante, admitir somente a
fé racional, ter como código moral a prática da caridade e fraternidade
universais.

Advento de Elias

Quando Jesus afirmou que Elias já viera e os homens não o haviam reconhecido,
seus discípulos compreenderam que se tratava de João Batista, o qual havia sido
decapitado. Ficou assim consagrado o “princípio da pluralidade das existências”.

Anunciação do Consolador

Ao anunciar a vinda do Consolador, o Espírito de Verdade, que haveria de
“ensinar todas as coisas e de lembrar o que ele dissera”, havendo ainda muitas
coisas por dizer, porque “presentemente não as podeis suportar”, claro ficou que
“Jesus não disse tudo o que tinha a dizer” Dizendo que o Consolador ficaria
eternamente conosco e estaria em nós, não poderia evidentemente tratar-se de uma
personalidade, mas sim “uma doutrina soberanamente consoladora, cujo inspirador
há de ser o Espírito de Verdade”.

Sendo o Espiritismo uma doutrina resultante do “ensino coletivo dos
Espíritos”, completando e elucidando o Evangelho, revelando leis conjugadas às
da Ciência que tornam compreensíveis os fenômenos tidos como maravilhosos,
realiza “todas as condições do Consolador que Jesus prometeu”. A doutrina de
Moisés restringiu-se ao povo judeu; a de Jesus – o Cristianismo – espalhou-se
por toda a Terra, “mas não converteu a todos”. “O Espiritismo, ainda mais
completo, com raízes em todas as crenças, converterá a Humanidade”.

Mais uma vez Jesus referia-se à reencarnação, quando anunciou a vinda do
Consolador por não poder dizer tudo àquela época, pois, seria ilusória tal
promessa se os homens não pudessem viver novamente, quando então teriam
condições de compreender todo o seu ensino.

Segundo advento de Cristo

Anunciando seu retorno à Terra, terá Jesus se referido a volta em Espírito e
não com um corpo carnal, para “julgar o mérito e o demérito e dar a cada um
segundo as suas obras”. As palavras: “Alguns há dos que aqui estão que não
sofrerão a morte sem terem visto vir o Filho do homem no seu reinado” parecem
contraditórias, pois, não se realizaram naquela época. Demonstram falha de
registro ou por ocasião das traduções sucessivas. O princípio da reencarnação,
assentado por Jesus, explica racionalmente tais palavras, pois somente assim
“alguns dos ali presentes”, reencarnados, poderiam ver o que ele anunciava.

Sinais precursores

A alegoria do fim dos tempos, composta de fortes imagens destinadas a
impressionar e “tocar fortemente aquelas imaginações pouco sutis”, oculta
grandes verdades, como a predição das “calamidades decorrentes da luta suprema
entre o bem e o mal”, fé e incredulidade, a difusão do Evangelho por toda a
Terra, “restaurado na sua pureza primitiva”, e depois o reinado do bem, “que
será o da paz e fraternidade universais”. “Depois dos dias de aflição, virão os
de alegria”. Falando de coisas futuras como que possíveis de presenciar, dando
sinais de advertência que, se pode deduzir,”mostrar-se-ão no estado social e nos
fenômenos mais de ordem moral do que físico”, só poderia se referir à presença,
quando houver as transformações, como Espíritos reencarnados, podendo mesmo
“colaborar na sua efetivação”.

Não sendo racional que Deus destruísse o mundo logo após entrasse “no caminho
do progresso moral”, há que se entender que Jesus se refere ao fim do mundo
velho, governado pelos “preconceitos, pelo orgulho, pelo egoísmo, pelo
fanatismo” e todas as paixões pecaminosas.

Vossos filhos e vossas filhas profetizarão

Tais palavras de Jesus referindo-se aos “últimos tempos”, coincidem com o
período do advento do Espiritismo, onde a mediunidade espalhou-se por toda a
Terra, revelando-se “em indivíduos de todas as idades, de ambos os sexos e de
todas as condições”. Intensificou-se a “manifestação universal dos Espíritos”,
iniciando-se período de regeneração e, por conseguinte, o fim do mundo velho.

Juízo final

Não há juízo final, mas juízos gerais cada vez em que um planeta deve
“ascender na hierarquia dos mundos”. Aqueles que se mantêm endurecidos no mal,
não tendo acompanhado o progresso moral dos demais habitantes, quando por
ocasião da ascensão da Terra a um grau mais elevado serão “exilados para mundos
inferiores, como o foram outrora para a Terra os da raça adâmica, vindo
substituí-los Espíritos melhores”. Jesus adiou a complementação de seus
ensinamentos para uma época posterior, em virtude de não possuírem os homens ao
seu tempo “conhecimentos astronômicos, geológicos, físicos, químicos,
fisiológicos e psicológicos”, explicando-se assim o estabelecimento por seus
apóstolos de dogmas que contrariam tais conhecimentos. O juízo final “não se
concilia com a bondade infinita do Criador”, enquanto que o processo de
emigração é racional, justo e não privilegia ninguém. “Tais as conseqüências da
pluralidade dos mundos e da pluralidade das existências”.

(Publicado no Boletim GEAE Número 438 de 28 de maio de 2002)

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior