Tamanho
do Texto

Nossos deveres

A partir da ciência que tenhamos das Supremas Leis de Deus e da consciência
que guardemos da importância em vivenciá-las, será menos difícil identificar
quais são os nossos deveres no seio da vida terrena.

Se pensarmos na sociedade à qual estamos ajustados, serão deveres nossos o
trato da boa convivência, o respeito às leis constituídas, a participação
consciente nos labores dedicados ao progresso comum, e assim por diante.

Se frenteamos a questão da liberdade, cabe-nos admitir a chance de aplicar as
benesses dessa liberdade em favor da alforria da alma, liberando-nos dos
condicionamentos retrógrados como preconceitos e animosidades, além de
reconhecer que os outros também devem experimentar essa mesma oportunidade,
estabelecendo, então, que o limite da nossa é a liberdade do semelhante.

Se considerarmos o progresso, serão deveres nossos a identificação da
importância de desenvolver não somente as coisas relativas ao homem corporal,
mas, primordialmente, aquelas condizentes com o ser imortal, caminhante
consciente da evolução. Cabe-nos ativar o progresso de tudo o que constitua
valor para a alma perene, independentemente de onde haja surgido, uma vez que
Jesus tem servidores grandiosos em todos os escaninhos da Humanidade.

Se tratarmos da adoração a Deus, cumpre-nos realizar o esforço de amadurecer
concepções, rever como estão as nossas relações com o Criador, afastando-nos
tanto do fanatismo, gerado pela ignorância presunçosa, quanto do pieguismo, que
representa a ignorância acomodada.

Nossos deveres no mundo, diante da Divina Consciência, refletirão sempre a
nossa maior disposição de aprender e servir, deverão demonstrar sempre a nossa
capacidade de pensar e espalhar o bem, indicando a nossa maior integração com a
harmonia das proposições do Senhor.

Procuremos pensar no dever não como uma cruz, que espezinha e pesa, mas, sim,
como uma vestimenta confortável e bela, à qual vamos acrescentando rendas e
luzes, na medida em que desenvolvamos maior condição de cumpri-lo sem dor, sem
amargura, sem frustrações, mas com os júbilos de quem se supera e não aguarda a
imposição dos sofrimentos, das pressões provacionais para executá-lo.

Nossos deveres bem atendidos representarão a nossa maioridade espiritual, que
nos abre as portas ao Grande Reino pelo qual anelamos há milênios.

Mensagem psicografada pelo médium Raul Teixeira, em 25.02.01, na Fazenda
Recreio,

em Pedreira – SP.

(Jornal Mundo Espírita de Julho de 2001)

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior